Banca & Finanças Rangel sobe pressão e pede demissão de Mourinho Félix

Rangel sobe pressão e pede demissão de Mourinho Félix

Luís Montenegro não o disse, mas Paulo Rangel foi directo ao ponto: "só resta (...) ao secretário de Estado [do Tesouro e Finanças] Ricardo Mourinho Félix assumir as consequências políticas".
Rangel sobe pressão e pede demissão de Mourinho Félix
Marta Moitinho Oliveira 24 de novembro de 2016 às 11:48
O eurodeputado do PSD Paulo Rangel defendeu esta quinta-feira que o secretário de Estado Adjunto do Tesouro e Finanças, Ricardo Mourinho Félix, deve sair do Governo depois deste governante ter assumido que António Domingues participou em reuniões com a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu antes de ser presidente da CGD e quando ainda era administrador do BPI.

"Perante o reconhecimento público feito pelo secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e Finanças de que o Governo português mandatou um administrador de um banco privado para negociar o futuro da Caixa Geral de Depósitos creio que só resta ao responsável que o Governo designou para gerir esta pasta, o Secretário de Estado Ricardo Mourinho Félix, assumir as consequências políticas deste acto que é totalmente contrário à transparência, à ética republicana e é revelador da enorme falta de consideração que este Governo tem pelos contribuintes", escreveu Rangel há cerca de uma hora na sua conta de Facebook.



Esta manhã, o governante tinha revelado as datas das reuniões com a Comissão Europeia em que António Domingues tinha estado presente (24 de Março e 7 de Abril) e explicado o contexto da participação do agora líder da Caixa em tais encontros. Ao Público e à TSF, o governante garantiu que não houve "informação confidencial" prestada nas duas reuniões em que António Domingues, presidente da CGD, esteve em Bruxelas e Frankfurt, antes de assumir o cargo no banco público e numa altura em que ainda era administrador do BPI. O objectivo era avaliar as condições do gestor para o cargo, que dependiam de decisões de organismos externos, assegurou.

Esta manhã, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, pediu esclarecimentos "urgentes" do primeiro-ministro sobre a participação de António Domingues em reuniões com a Comissão Europeia no âmbito do processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), antes de ser líder do banco público, e exige que sejam retiradas "consequências" no Governo e também dentro do banco público desses factos. Mas não concretizou que consequências e quem é, para o PSD, o alvo dessas consequências.  

A Comissão Europeia e o BCE confirmaram na quarta-feira a presença de Domingues em reuniões.

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
1230cf 24.11.2016

Obviamente,
Demita-se.

art 24.11.2016

Este artista fez um implante de cabelo novo mas as ideias na cabeça ontinuam velhas cheias de verborreia

TecnoCalotes 24.11.2016

HahahahahahahahahahaHahahahahahahahahaha.....
PSD está num vazio, num vácuo absoluto de ideias, a esterilidade completa...
O diabo deixou-os pendurados e mais não fazem que esbracejar e berrar! Está lindo senhores, lindo!

Tristes traidor de Portugal 24.11.2016

Quando fores a votos vai levar banhada como o teu candimba.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub