Turismo & Lazer Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"

Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"

A Associação da Hotelaria de Portugal encomendou um estudo para perceber o impacto do alojamento local. Agora, o seu presidente diz que é "urgente" leis mais apertadas para a actividade concorrente.
Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 29 de novembro de 2016 às 16:53

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal, Raul Martins, defendeu esta quarta-feira, 29 de Novembro, que "a situação do alojamento local carece de urgente intervenção legislativa".

 

O responsável falava na abertura da apresentação do estudo "Alojamento local – qual o fenómeno?", desenvolvido entre a AHP e a Universidade Nova de Lisboa. O mesmo conclui que 40% do alojamento local que é publicitado na principal plataforma, a Airbnb, se encontra em situação ilegal – o correspondente a 13 mil unidades.

 

"Tem havido muita polémica e discussões apaixonadas acerca do alojamento local. A hotelaria não pode ignorar esta polémica", acrescentou. O responsável reconheceu que a realidade do alojamento local "faz parte da oferta do alojamento turístico" e, por isso mesmo, não pode ser ignorada.

 

Raul Martins lembrou a necessidade de se procurar um equilíbrio entre o número de habitantes e de turistas em unidades de alojamento local, de modo a evitar conflitos entre ambos quando diferentes registos convivem no mesmo espaço. Numa entrevista ao Negócios, o líder da AHP já tinha referido a necessidade de os condomínios autorizarem a instalação de unidades de alojamento local nos respectivos prédios.

 

Até Setembro, o Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL) contava com 31.330 unidades registadas a nível nacional. Já a plataforma de alojamento mais utilizada, a Airbnb, apresentava anúncios a 44.808 unidades. A diferença efectiva é, assim, de 13.478 unidades.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado luiscostaboss 29.11.2016

É preciso ter muita lata. Este Senhor que fez o Altis Prime que não é mais do que a venda de apartamentos com uma rentabilidade garantida e cuja exploração é feita poe uma empresa do grupo nos mesmos moldes do Alojamentos Locais vem agora criticar os mesmos e pedir mais regualmentação? Haja decencia que já estamos fartos de oportunistas.

comentários mais recentes
Anónimo 29.11.2016

É preciso um grande descaramento , a Baixa está cheia de hotéis , mas o Alojamento Local é que é o culpado

luiscostaboss 29.11.2016

É preciso ter muita lata. Este Senhor que fez o Altis Prime que não é mais do que a venda de apartamentos com uma rentabilidade garantida e cuja exploração é feita poe uma empresa do grupo nos mesmos moldes do Alojamentos Locais vem agora criticar os mesmos e pedir mais regualmentação? Haja decencia que já estamos fartos de oportunistas.

Anónimo 29.11.2016

Não deverá haver igualmente necessidade de ver o numero de Hotéis de modo a evitar conflitos já que hoje a baixa de Lisboa está inundada de hotéis? ou no setor hoteleiro já vale tudo? ocupar quarteirões inteiros com hotéis sem qq respeito por quem mora...

Anónimo 29.11.2016


NO DICIONÁRIO DA ESQUERDA

IGUALDADE QUER DIZER REPARTIÇÃO ENTRE OS LADRÕES DOS FP / CGA - OH, OH !

pub
pub
pub
pub