Turismo & Lazer Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"

Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"

A Associação da Hotelaria de Portugal encomendou um estudo para perceber o impacto do alojamento local. Agora, o seu presidente diz que é "urgente" leis mais apertadas para a actividade concorrente.
Raul Martins: "O alojamento local carece de urgente intervenção legislativa"
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 29 de Novembro de 2016 às 16:53

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal, Raul Martins, defendeu esta quarta-feira, 29 de Novembro, que "a situação do alojamento local carece de urgente intervenção legislativa".

 

O responsável falava na abertura da apresentação do estudo "Alojamento local – qual o fenómeno?", desenvolvido entre a AHP e a Universidade Nova de Lisboa. O mesmo conclui que 40% do alojamento local que é publicitado na principal plataforma, a Airbnb, se encontra em situação ilegal – o correspondente a 13 mil unidades.

 

"Tem havido muita polémica e discussões apaixonadas acerca do alojamento local. A hotelaria não pode ignorar esta polémica", acrescentou. O responsável reconheceu que a realidade do alojamento local "faz parte da oferta do alojamento turístico" e, por isso mesmo, não pode ser ignorada.

 

Raul Martins lembrou a necessidade de se procurar um equilíbrio entre o número de habitantes e de turistas em unidades de alojamento local, de modo a evitar conflitos entre ambos quando diferentes registos convivem no mesmo espaço. Numa entrevista ao Negócios, o líder da AHP já tinha referido a necessidade de os condomínios autorizarem a instalação de unidades de alojamento local nos respectivos prédios.

 

Até Setembro, o Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL) contava com 31.330 unidades registadas a nível nacional. Já a plataforma de alojamento mais utilizada, a Airbnb, apresentava anúncios a 44.808 unidades. A diferença efectiva é, assim, de 13.478 unidades.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado luiscostaboss Há 4 dias

É preciso ter muita lata. Este Senhor que fez o Altis Prime que não é mais do que a venda de apartamentos com uma rentabilidade garantida e cuja exploração é feita poe uma empresa do grupo nos mesmos moldes do Alojamentos Locais vem agora criticar os mesmos e pedir mais regualmentação? Haja decencia que já estamos fartos de oportunistas.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

É preciso um grande descaramento , a Baixa está cheia de hotéis , mas o Alojamento Local é que é o culpado

luiscostaboss Há 4 dias

É preciso ter muita lata. Este Senhor que fez o Altis Prime que não é mais do que a venda de apartamentos com uma rentabilidade garantida e cuja exploração é feita poe uma empresa do grupo nos mesmos moldes do Alojamentos Locais vem agora criticar os mesmos e pedir mais regualmentação? Haja decencia que já estamos fartos de oportunistas.

Anónimo Há 4 dias

Não deverá haver igualmente necessidade de ver o numero de Hotéis de modo a evitar conflitos já que hoje a baixa de Lisboa está inundada de hotéis? ou no setor hoteleiro já vale tudo? ocupar quarteirões inteiros com hotéis sem qq respeito por quem mora...

Anónimo Há 4 dias


NO DICIONÁRIO DA ESQUERDA

IGUALDADE QUER DIZER REPARTIÇÃO ENTRE OS LADRÕES DOS FP / CGA - OH, OH !

pub
pub
pub
pub