Telecomunicações Receita média mensal de pacotes de TV aumentou 3,5% até Setembro

Receita média mensal de pacotes de TV aumentou 3,5% até Setembro

O número de subscritores do serviço de televisão paga aumentou 4,6% no terceiro trimestre. Até Setembro as operadoras tiverem receitas de 1,3 mil milhões de euros, um aumento de 8,6% face a 2015.
Receita média mensal de pacotes de TV aumentou 3,5% até Setembro
Bloomberg
Sara Ribeiro 19 de dezembro de 2016 às 13:23

No final de Setembro havia 3,6 milhões de subscritores de televisão por subscrição, um aumento de 4,6% face ao mesmo período do ano passado, de acordo com os dados divulgados pela Anacom esta segunda-feira, 19 de Dezembro.

As ofertas de fibra óptica foram as que mais contribuíram para o acréscimo de 220 mil clientes durante o terceiro trimestre deste ano. No entanto, como o regulador sublinha, "o cabo continua a ser a principal plataforma de TV por subscrição, representando 36,8% do total de assinantes".

De Janeiro a Setembro as receitas do serviço de TV paga totalizaram 1,3 mil milhões de euros, mais 8,6% do que no período homólogo. Só os pacotes de TV contribuíram com 1,2 mil milhões de euros, com a receita média mensal destas ofertas convergentes a situar-se em 41,6 euros no terceiro trimestre, um valor que traduz um aumento de 1,4 euros (+3,5%) face ao mesmo período do ano anterior.

Aliás, no terceiro trimestre, 89,3% dos assinantes de TV por subscrição dispunham deste serviço integrado em pacote, totalizando 3,25 milhões de utilizadores. Um número que representa um aumento de 7,6% face ao período homólogo.

Analisando as quotas por prestador a Nos fechou o mês de Setembro 43,5% a Meo com 39,4%, a Vodafone com 12,2% e a Cabovisão (agora Nowo) com 4,7%.

"A Vodafone foi o prestador que, em termos líquidos, mais assinantes captou no terceiro trimestre", e o único que aumentou a quota de mercado. No mesmo período do ano passado a Nos tinha uma quota de 43,7%, a Meo de 41%, a Vodafone de 9,8% e a Cabovisão de 5,4%.

No final de Setembro, cerca de 16,2% dos lares com serviço de televisão paga tinham acesso a canais premium (um aumento de 0,7 pontos percentuais face ao ano anterior), enquanto 78,7% dispunham de mais de 80 canais (um aumento de 6,7 pontos percentuais em termos homólogos).

A Anacom revela ainda que no terceiro trimestre "cerca de 3,2% dos indivíduos com 10 ou mais anos tinha subscrito serviços de "streaming on demand"", como o Netflix, Fox Play ou Nplay.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub