Empresas Receitas da Hermès sobem 7,6% com ajuda da Ásia e recuperação do turismo na Europa

Receitas da Hermès sobem 7,6% com ajuda da Ásia e recuperação do turismo na Europa

Tendo em conta o conjunto do ano, as receitas da marca de luxo francesa cresceram 7,4%, a subida mais baixa dos últimos cinco anos.
Receitas da Hermès sobem 7,6% com ajuda da Ásia e recuperação do turismo na Europa
Bloomberg
Rita Faria 08 de fevereiro de 2017 às 10:36

A francesa Hermès anunciou esta quarta-feira, 8 de Fevereiro, que as suas receitas subiram 7,6% para 1,5 mil milhões de euros no último trimestre do ano passado, impulsionadas sobretudo pelo crescimento das vendas na China e no Japão e pelo regresso dos turistas às suas lojas na Europa, depois dos ataques terroristas, especialmente em França.

As vendas dos produtos de pele, categoria em que se inserem as famosas malas Birkin, aumentaram 8,5%, enquanto as vendas de artigos de seda cresceram 11%, a beneficiar do período do Natal. Na Ásia, a receita da Hermès subiu 9,1%, ao passo que na Europa, o crescimento foi de 6,3%, depois de a actividade da empresa ter sido fortemente penalizada pelos ataques terroristas de Paris.

"Vejo uma melhoria na China e muito mais apetite pela nossa indústria em geral desde meados do ano passado", afirmou o presidente-executivo Axel Dumas em declarações aos jornalistas, citado pela Bloomberg. "Continuo optimista para a China. Vemos muito apetite por uma gama diversificada dos nossos produtos, desde sapatos até pronto-a-vestir, malas e artigos de seda".

A Hermès junta-se, desta forma, a outras empresa de artigos de luxo que têm dados sinais de recuperação depois de uma quebra da procura na China e do turismo em França.

Tendo em conta o conjunto do ano, as receitas cresceram 7,4%, a subida mais baixa dos últimos cinco anos.

Apesar dos resultados em linha com o esperado as acções da marca francesa caem 1,53% para 396 euros. Os resultados completos do ano de 2016 serão revelados a 22 de Março.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub