Research Receitas da Jerónimo Martins terão crescido mais de 10% em 2017

Receitas da Jerónimo Martins terão crescido mais de 10% em 2017

O BPI espera que a Jerónimo Martins apresente um desempenho sólido nas receitas em 2017 em todas as geografias, mas diz que as acções apresentam um potencial de valorização limitado no curto prazo.
Receitas da Jerónimo Martins terão crescido mais de 10% em 2017
As vendas no Pingo Doce terão aumentado 3% em 2017
Sara Matos
Nuno Carregueiro 04 de janeiro de 2018 às 09:13

A Jerónimo Martins terá fechado o ano de 2017 com receitas de 16,21 mil milhões de euros, um valor que traduz um crescimento de 11% face ao ano anterior.

 

As estimativas são do BPI, que espera que a dona do Pingo Doce apresente números "sólidos em todas as geografias". A Biedronka, unidade da empresa na Polónia, deverá ter registado um aumento de receitas de 13%, o Pingo Doce de 3% e o Recheio de 7%. A área que agrupa as restantes unidades, como a colombiana Ara, terá aumentado as receitas em 49%.

 

Tendo em conta apenas o quarto trimestre, as estimativas são semelhantes: crescimento de 11% na Biedronka, 3% no Pingo Doce e 5% no Recheio. A nível consolidado as receitas terão atingido 4.284 milhões de euros entre Outubro e Dezembro do ano passado (+10%).

 

"O foco estará no desempenho da empresa na Polónia e podemos assistir, mais uma vez, a valores acima das estimativas", refere o BPI na nota enviada hoje a clientes.

 

O banco de investimento espera que este "forte desempenho na Polónia sustente a avaliação elevada da acção no mercado". A Jerónimo Martins transacciona com um PER (rácio que mede a relação entre cotação e lucros por acção) de 22,9 vezes e apresenta uma valorização nos últimos 12 meses de 13%, que mais do que duplica o desempenho do sector (+5%), pelo que o BPI assinala que a acção tem um potencial limitado para manter um desempenho superior ao mercado no curto prazo.

 

Na actividade na Polónia, o BPI destaca o crescimento comparável de 6% nas vendas no quarto trimestre e o contributo positivo das flutuações cambiais. Nas operações em Portugal o Pingo Doce terá regressado a variações positivas nas vendas comparáveis, embora as margens tenham descido 30 pontos base devido ao aumento das promoções e investimento operacional.

 

A Jerónimo Martins vai apresentar os resultados preliminares a 11 de Janeiro. O BPI tem uma recomendação de "neutral" para as acções, com um preço-alvo de 18,10 euros. As acções estão esta manhã a subir 1,72% para 16,605 euros. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar