Transportes Recuperação do Grupo Urbanos foi chumbada

Recuperação do Grupo Urbanos foi chumbada

O grupo Urbanos SGPS não conseguiu entrar em PER. Uma das suas empresas também. Já a Kashmir Imóveis, que também é presidida por Alfredo Casimiro, conseguiu o acordo dos credores para a recuperação.
Recuperação do Grupo Urbanos foi chumbada
Sara Matos/Negócios
Diogo Cavaleiro 23 de dezembro de 2016 às 18:05

Sem acordo. O processo de recuperação do grupo de logística Urbanos não passou no tribunal. Cerca de 19% da dívida de 44 milhões de euros é devida a entidades do Estado, nomeadamente as sociedades com os despojos do BPN e a Caixa Geral de Depósitos, ainda que o principal credor seja o Novo Banco. 

 

"Na Comarca de Lisboa, Instância Central - 1ª Sec.Comércio - J2 de Lisboa, no dia 20-12-2016, ao meio dia, foi proferida decisão de recusa homologação do acordo de revitalização da devedora: "Urbanos - Grupo, Sgps, S.A". A nota consta do portal Citius.

 

Não é indicado se foram os credores que recusaram a entrada da Urbanos em Processo Especial de Revitalização (PER), como a empresa pretendia para "poder reestruturar o passivo financeiro acumulado durante os anos de expansão e desta profunda crise económica que o país atravessou entre 2012 e 2015", ou se a decisão foi exclusivamente do tribunal. Ao que o Negócios apurou, os credores conseguiram chegar a um entendimento para a aprovação do plano mas o juiz não aceitou, motivo pelo qual o grupo Urbanos pretende avançar para um recurso. O grupo não comenta. 

 

A "decisão agora publicitada vincula quem tem dívidas a haver, mesmo aqueles que não hajam participado nas negociações". Não foi ainda possível apurar junto da empresa o que será feito agora pelo grupo Urbanos, liderado por Alfredo Casimiro (que é também responsável da Pasogal, que detém 50,1% da Groundforce, empresa em que a accionista minoritária é a TAP). 

 

O Novo Banco é o principal credor, com uma dívida de 7,6 milhões de euros, seguido do Montepio, com 4,2 milhões, do BCP, com 2,7 milhões, e do Crédito Agrícola, com 2,6 milhões. Já a Caixa Geral de Depósitos, com base num contrato de arrendamento de um fundo de investimento imobiliário e de duas operações de financiamento, tem a receber 2,2 milhões de euros.

 

A Imofundos, que pertence às sociedades Par, criadas pelo Estado em 2012 para ficar com os créditos e activos do nacionalizado BPN não comprados pelo BIC, tem a receber 5,8 milhões de euros da Urbanos devido a dois contratos de arrendamento.

 

Estes valores são já conhecidos desde Setembro, data em que o administrador judicial Pedro Pidwell fez a recolha da lista dos créditos provisórios.

 

PER pedidos também por outras empresas do grupo

 

Outra empresa do grupo, a Urbanos Supply Chain, também não conseguiu ver o seu PER aprovado. "Na Comarca de Lisboa, Lisboa - Inst. Central - 1ª Sec.Comércio - J4 de Lisboa, no dia 16-12-2016, ao meio dia, foi proferido despacho de recusa homologação do acordo de revitalização do(s): Urbanos - Supply Chain".


Neste caso, a dívida global é de 19 milhões de euros, mas não é claro que seja um valor que se possa somar ao da Urbanos SGPS, já que muitos credores e muitas das suas dívidas são as mesmas. 

 

Há ainda mais duas empresas do grupo, a Urbanos Soluções e a RN Trans, que também pediram o acesso a um PER. Em Novembro, conseguiram mais um mês para negociar com os credores e o desfecho ainda não foi publicado no Citius.

 

Empresa de Camisiro consegue recuperação

 

Já uma outra empresa que não tem Urbanos na denominação mas que tem Alfredo Casimiro como presidente conseguiu o acordo para a sua recuperação. "Foi proferida sentença de homologação relativo ao acordo entre o devedor Kashmir - Imóveis, S.A [e os credores]", indica outro documento publicado no portal Citius. 

 

Neste caso, os credores da Kashmir - Imóveis não diferenciam muito. A dívida total é de 12,5 milhões de euros, um terço da qual ao Estado, através da Imofundos, que é da sociedade estatal Parvalorem. O Novo Banco abarca outro terço da dívida, com o BCP a ficar com 14% da restante parcela.



(Notícia actualizada às 18:42 com informação de que o Grupo Urbanos avança com um recurso da decisão de não homologação do juiz)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Comprar com o dinheiro dos outros e não pagar e só lucros !!
Depois faz preços mais baratos, e alem de se enterrar a ele, esta a enterrar outros, como transportadores qua andam a trabalhar para ele e depois não lhes paga !!!

777seven Há 1 semana

Ora Ora! um setor de logistica inteiro a disposição, haja bandido! para que será que foi reservado!

pub