Empresas Reditus apresenta maiores prejuízos de sempre

Reditus apresenta maiores prejuízos de sempre

A tecnológica registou um resultado líquido negativo de 13,9 milhões de euros no ano passado. A empresa, cujo conselho de administração é liderado por Pais do Amaral, foi penalizada pela reestruturação da empresa, pelas piores condições de financiamento e pelas perdas de imparidades.
Diogo Cavaleiro 30 de abril de 2012 às 21:23
A Reditus apresentou, em 2011, um prejuízo de 13,9 milhões de euros. A tecnológica não divulgava resultados líquidos negativos há oito anos. Nunca, desde que apresenta resultados anuais, 1999, registou um prejuízo tão elevado.

A tecnológica, cujo maior accionista é Miguel Pais do Amaral (com 24,37% do capital), o também presidente do conselho de administração, registou prejuízos de 13,9 milhões de euros no ano passado, quando, em 2010, tinha registado lucros de 268,8 mil euros, de acordo com o comunicado divulgado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Reditus não apresentava prejuízos desde 2003, embora, em 2008, a empresa tenha apresentado resultados “pró-forma” para reflectir a integração do Grupo Tecnidata na totalidade do ano e para ter uma melhor base de comparação com anos anteriores. Nesses resultados “simulados”, apresentava um prejuízo em 2007.

Contudo, como tal integração só aconteceu em Outubro de 2008, os resultados apresentados oficialmente à CMVM apontavam para lucros no ano anterior. Assim, não havia prejuízos há oito anos e nunca foram tão elevados desde, pelo menos, 1999, exercício relativo ao qual está publicado o primeiro relatório e contas na CMVM.

Reestruturação, custos de financiamento e imparidades justificam prejuízos

Os 13,9 milhões agora apresentados revelam um comportamento nunca verificado. E há três principais razões que, segundo a Reditus, justificam o desempenho: os custos não recorrentes relacionados com a reestruturação, num ano de aumento de capital e de renovação da estrutura operacional; "o aumento significativo de custos financeiros em resultado da degradação das condições de financiamento"; e ainda “perdas de imparidades no valor de 4,1 milhões de euros registadas no último trimestre de 2011”.

O EBITDA consolidado (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da empresa de tecnologias da informação também sofreu uma elevada quebra, embora permaneça em terreno positivo. São 2,8 milhões de euros de EBITDA em 2011, que comparam com 11,6 milhões de euros no período homólogo.

“A margem EBITDA cifrou-se em 2,6%, 7,2 pontos percentuais abaixo da margem de 9,8% atingida no ano de 2010. O decréscimo da margem resultou não apenas dos custos não recorrentes referidos anteriormente mas também da pressão nos preços no mercado doméstico em consequência da actual conjuntura”, explicam a empresa liderada por Carlos Romão (na foto).

Volume de negócios desce para 110,1 milhões

Em termos de volume de negócios, a Reditus, que apresenta agora uma nova estrutura operacional, registou uma descida de 118,6 milhões de euros, em 2010, para 110,1 milhões, no ano passado.

A empresa, com presença na consultoria em sistemas de informação SAP e consultoria de negócios e transformação, registou uma redução no que diz respeito à actividade internacional, que “diminuiu 17% em 2011 face a 2010, contribuindo com 31% do volume de negócio do Grupo”.

O valor deve-se, diz a empresa no comunicado à CMVM, aos “valores muito expressivos registados no último trimestre de 2010, relativamente a um projecto” especifico. “Excluindo este projecto, a actividade internacional registou um aumentou 17% em 2011”, conclui.

Em bolsa, as acções da empresa, em que Pais do Amaral (24,37%) e o BCP (20,49%) são os maiores accionistas, desvalorizaram 35,80% em 2011, ano a que se reportam os resultados. Foi a maior queda anual relativa em bolsa desde 2002. Os títulos perderam hoje 1,20% para terminarem nos 3,30 euros, acumulando um recuo de 15,38% desde o início do ano. A Reditus tem, ao fecho de hoje, um valor de mercado de 48,31 milhões de euros.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 01.05.2012

Das piores empresas do mercado. Apresenta estes resultados e grande parte deles foram "mascarados", agora imagem o buraco...

pzyn9z 30.04.2012

1 euro

Anónimo 30.04.2012

Ridículo o valor da empresa esta empresa não vale 1 euro quanto mais 3,30!

pub