Tecnologias Reditus regressa aos lucros no primeiro semestre

Reditus regressa aos lucros no primeiro semestre

A tecnológica, depois de alienar a Roff, voltou aos lucros. A componente internacional do negócio viu o seu peso aumentar para os 40%.
Reditus regressa aos lucros no primeiro semestre
SeongJoon Cho/Bloomberg
Wilson Ledo 31 de agosto de 2017 às 19:52

A tecnológica Reditus fechou o primeiro semestre de 2017 com lucros de 64 mil euros, o que compara com os prejuízos de 262 mil euros registados no mesmo período do ano passado. É uma melhoria de 326 mil euros. Os resultados têm em conta as operações em continuação, depois da tecnológica ter vendido a Roff.

A Reditus assinalou ainda proveitos operacionais de 20,9 milhões de euros, face aos homólogos 22,1 milhões, uma queda que é justificada com o fim de um contrato de grande dimensão "que existia no ano anterior e que o grupo tem desenvolvido esforços no sentido de substituir por outros de equivalente valor e de maior rentabilidade".


Por sua vez, o EBITDA (lucro antes de impostos, amortizações e juros) fixou-se em 2,5 milhões – acima dos 2,1 milhões de euros do primeiro semestre 2016.


"As áreas de IT Consulting e de IT Outsourcing são as que mais contribuíram para esta melhoria de resultados com crescimentos positivos nos proveitos e no EBITDA", considera a empresa na informação enviada à CMVM, referindo "novos negócios na sua carteira de clientes".


A área internacional aumentou o seu peso, passando de 29 para 40%, apoiada pelo crescimento do negócio em Angola, Moçambique e Guiné Equatorial.


O documento refere ainda que os resultados financeiros negativos melhoraram 1,7% face ao primeiro semestre de 2016, atingindo 1,2 milhões de euros, "reflectindo o continuado esforço da empresa na obtenção de melhores condições de financiamento por via da renegociação de todas as linhas de crédito".


Para o segundo semestre do ano, a Reditus espera que o ritmo de crescimento da economia portuguesa permita "alavancar" o seu volume de negócios num mercado que classifica como "bastante agressivo e concorrencial nalguns dos segmentos" em que actua.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub