Agricultura e Pescas Redução da área de eucalipto em vigor em Março

Redução da área de eucalipto em vigor em Março

O diploma que trava e reduz a área de plantação de eucalipto no país, no âmbito da reforma da floresta, foi publicado esta quinta-feira. As novas regras para esta espécie entram em vigor dentro de 180 dias.
Redução da área de eucalipto em vigor em Março
Lusa 17 de agosto de 2017 às 13:05

O novo regime jurídico de rearborização entra em vigor em Março, segundo o diploma publicado esta quinta-feira, 17 de Agosto, em Diário da República (DR), para travar a expansão do eucalipto em Portugal e evitar a repetição de tragédias como a de Pedrógão Grande.

A ideia do novo Regime Jurídico Aplicável às Acções de Arborização e Rearborização (RJAAR) não é impedir a plantação, mas travar a expansão de eucalipto, obrigando a que novas plantações sejam realizadas com a libertação dos terrenos usados para produzir eucalipto - matéria-prima da pasta de papel - e possam vir a albergar outro tipo de árvores.

A redução do eucalipto, com a plantação a ficar dependente de um projecto e de uma autorização prévia, pretende diversificar a floresta e criar zonas tampão para evitar incêndios como o de Pedrógão Grande, que vitimou 63 pessoas e provocou mais de uma centena de feridos.

O novo regime de arborização e rearborização de eucalipto, agora publicado para entrar em vigor em 180 dias, determina que é o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) que passa a fazer uma "gestão nacional da área global" do eucalipto "de forma a aproximar-se progressivamente dos valores fixados na versão mais recente" da Estratégia Nacional Florestal.

O diploma diz mesmo que, no caso de o Inventário Florestal Nacional indicar que a área de eucalipto está acima dos valores fixados naquela versão mais recente, é feita uma aproximação de acordo com os instrumentos de ordenamento em vigor, "actuando prioritariamente" nas explorações com dimensão superior a 100 hectares.

"Não são permitidas as acções de arborização com espécies do género 'Eucalyptus'", lê-se no diploma, que especifica que a rearborização com esta espécie "só é permitida quando a ocupação anterior constitua um povoamento puro ou misto dominante", tal como definido em sede do Inventário Florestal Nacional, de espécies do mesmo género.

Mas há excepções para esta arborização se não estiver inserida, total ou parcialmente, na Rede Nacional de Áreas Protegidas, Rede Natura 2000 e em regime florestal, e desde que, cumulativamente, seja feita em áreas não agrícolas, de aptidão florestal, sem regadio, e que resultem da compensação de áreas de povoamentos de eucalipto por áreas de povoamento de zonas de maior produtividade, em concelhos onde esta espécie não ultrapasse os limites definidos nos PROF e sem extensas manchas contínuas desta espécie ou de espécie pinheiro-bravo.

Outro diploma publicado esta quinta-feira é o que cria um sistema de informação cadastral simplificada, que vai avançar em projecto-piloto numa dezena de concelhos do norte do país, sete dos quais atingidos pelos fogos florestais de Junho.

Foram também publicadas as alterações ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios e o diploma que estabelece o regime aplicável aos baldios e aos demais meios de produção comunitários.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado oluapaxe 17.08.2017

Isto é irónico mas se passarem para os lados de vila de rei vejam que o lume parou ou foi desviado nas zonas onde havia plantações recentes pois o terrenos estava lavrado este facto leva-me a concluir se mais plantações houve se na frente de fogo iria diminuir esta catástrofe. A esquerda marra contra o eucalipto por razões ideológicas.

comentários mais recentes
Anónimo 18.08.2017

É só mais miséria!!!... para o futuro.
Uma Lei populista, vai fomentar o completo abandono da floresta.
"E a vitória da demagogia! É a vitória da ignorância!" nem mais!

Anónimo 18.08.2017

E a vitória da demagogia! É a vitória da ignorância!

Pedrogao terra queimada 17.08.2017

sempre que o xuxalismo está no poder amansa a comunicação social, está tudo a contar historias da carochinha e a levar doses maciças de costa e m(a)orcela (o)

Anónimo 17.08.2017

Nota-se que nos telejornais a proteção civil só percebe de meteorologia. Em relação a fogos, é a politica do deixa arder(terra queimada).

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub