Energia Regulador alerta população idosa para fraudes e vendas agressivas na energia

Regulador alerta população idosa para fraudes e vendas agressivas na energia

O regulador ERSE lança vários alertas sobre más práticas de vendas no sector da energia no dia dos avós.
Regulador alerta população idosa para fraudes e vendas agressivas na energia
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 26 de julho de 2017 às 06:50
O regulador energético lançou vários alertas destinados à população idosa sobre fraudes e vendas agressivas no sector da energia. Os alertas foram lançados pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) esta quarta-feira, 26 de Julho, para celebrar o dia dos avós.

"A ERSE considera que a melhor actuação na defesa dos direitos dos consumidores é a prevenção e, nesse contexto, atribui elevada prioridade a acções de informação e formação de modo a potenciar a participação esclarecida dos consumidores nos sectores eléctrico e do gás natural", diz o regulador em comunicado.

Um dos exemplos dados pela ERSE é quando um consumidor recebe em casa a factura de um novo fornecedor de electricidade ou de gás natural, "mas não se recorda de ter feito um contrato escrito com essa empresa".

Caso isto aconteça, a ERSE aconselha os consumidores a confirmar se existe algum contrato escrito que tenha sido firmado com esta empresa. E relembra que contratos celebrados por telefone só são válidos caso tenham a assinatura do consumidor ou se tiver enviado o seu consentimento por escrito, através de email, carta ou sms.

O segundo exemplo de má prática é quando um consumidor quer mudar de fornecedor, mas o fornecedor actual diz-lhe que o seu contrato foi renovado e que para mudar precisa de pagar uma penalização.

Neste caso, a ERSE recorda que os períodos de fidelização "não se renovam automaticamente" e para o consumidor verificar se o seu contrato tinha um período de fidelização e qual o benefício concedido como contrapartida da fidelização.

Já em relação à contratação de serviços adicionais, a ERSE dá um exemplo de má prática: "Aquando da celebração do contrato de fornecimento, a "empresa de electricidade" ou a "empresa de gás natural" refere que está incluído no contrato um outro serviço adicional, como assistência técnica ou um seguro".

Neste caso a ERSE alerta que o "fornecimento de electricidade ou gás natural é independente do serviço adicional, devendo ser contratados em separado". E que "não pode haver interrupção do fornecimento de electricidade ou de gás natural por falta de pagamento do serviço adicional".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.07.2017

Pergunto: Se o regulador sabe dos ROUBOS, feitos por empresas que se sabe quem são , ou em nome delas , essas empresas é que tem de ser responsabilizadas , multas milionárias para elas e vão ver que este mal desaparece. Assim é cumbersa da treta para pagar salários milionários a outro ladrão.

Camponio da beira 26.07.2017

E ainda há os truques das minisaias e decotes....cuidado não há vistas gratis....

Camponio da beira 26.07.2017

Dizem que dão desconto, pedem a factura e dizem que também trabalham para "essa " empresa....

pub