Transportes Regulador aprova aumento de 2% nos transportes em 2018

Regulador aprova aumento de 2% nos transportes em 2018

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes diz que o despacho normativo que fixa a actualização das tarifas para o próximo ano – que não permite subidas acima dos 2,5% - protege melhor os direitos e interesses dos passageiros face a 2017.
Regulador aprova aumento de 2% nos transportes em 2018
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 13 de dezembro de 2017 às 12:03

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) já emitiu o parecer sobre a proposta de despacho normativo que fixa em 2% a percentagem máxima de aumento médio de actualização em 2018 dos preços praticados para os títulos relativos aos transportes colectivos.

"A AMT considera que o despacho normativo está em conformidade com o actual enquadramento legal, e vem facilitar a intervenção das entidades públicas e a articulação entre estas e os operadores", afirma o regulador do sector dos transportes.


O mesmo acontece, acrescenta, "como a aferição da efectiva existência de incumprimentos das normas existentes, protegendo melhor os direitos e interesses dos passageiros, face ao despacho que vigorou em 2017".


O despacho normativo que vigorou este ano fixou em 1,5 % a percentagem máxima de aumento médio nos preços para os títulos relativos aos transportes colectivos rodoviários interurbanos de passageiros em percursos inferiores a 50 quilómetros, para os títulos relativos aos transportes colectivos de passageiros nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, para os títulos relativos aos transportes ferroviários urbanos e suburbanos em percursos inferiores a 50 quilómetros e para os títulos relativos aos transportes fluviais.


A diferença para 2018 é que a actualização a aplicar no próximo ano em cada tarifa de cada título de transporte não pode ser superior a 2,5%, sendo o aumento médio de actualização aferido por operador e por grupo de títulos de transporte (próprios, combinados e intermodais).

A AMT sublinha ainda que "acompanhará a execução do despacho pelas autoridades de transporte locais e pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes, para efeitos de fiscalização do seu cumprimento, e também por forma a sustentar um futuro modelo mais estável, com base na experiência obtida".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 13.12.2017

Sobre os caminhos de ferro Deutsche Bahn, da Alemanha: "According to the plans about 5,000 jobs could go in the freight division alone. The state-owned company is working with consultancy McKinsey on the plans which are due to be finished by December and agreed by the supervisory board."

Anónimo 13.12.2017

No Primeiro Mundo, faz-se boa gestão de recursos humanos, combate-se o excedentarismo com prontidão e dessa forma a economia prospera e desenvolve-se para outros patamares que não aqueles a que Portugal e Grécia sob resgate se auto-impuseram por manifesta falta de seriedade e discernimento de políticos e outros seus líderes. "Os Caminhos de Ferro Federais Suíços anunciaram que irão executar um corte adicional de 300 colaboradores na empresa em relação ao que a organização já havia anunciado no último ano no decorrer do seu programa de redução de custos denominado RailFit20/30. No total, 1400 postos de trabalho estão destinados a desaparecer da organização até 2020" ("Swiss Federal Railways says it will make 300 more job cuts than it had announced last year under its ‘RailFit20/30’ cost-savings programme. In all, 1,400 jobs are now slated to be on the chopping block by 2020") https://www.swissinfo.ch/eng/business/cost-savings_swiss-railways-announces-further-job-cuts-by-2020/42465444

Anónimo 13.12.2017

Um total de até 1400 despedimentos estão planeados na empresa municipal de transportes de Londres por causa de uma ajuizada reestruturação que se impõe aos olhos de todos e o muito responsável e equilibrado presidente eleito da cidade prontamente aprova. Os despedimentos afectarão o sobredimensionado e obsoleto departamento de engenharia, extremamente caro e ineficiente tal como está montado e estruturado, assim bem como determinados departamentos do próprio metropolitano de Londres - London Underground. Ao que se sabe, a Inglaterra progride e avança, dona do seu próprio destino, e ainda dá cartas no mundo. Já outros... "Up to 1,400 job losses are planned at Transport for London because of spending cuts, according to unions. The cuts will affect engineering and parts of London Underground, said the Rail, Maritime and Transport union." (7 de Novembro de 2017) www.mirror.co.uk/news/politics/1400-job-losses-transport-london-11481728

pub