Telecomunicações Regulador chumba nomeação de dois administradores da Oi  

Regulador chumba nomeação de dois administradores da Oi  

Dois dos gestores indicados pela Société Mondiale para integrar o a administração da Oi foram recusados pela Anatel. Um deles é filho do principal responsável do fundo que é um dos maiores accionistas da operadora brasileira que está em recuperação judicial.
Regulador chumba nomeação de dois administradores da Oi  
Reuters

A Anatel, regulador do mercado de telecomunicações brasileiro, recusou a nomeação de dois administradores para o Conselho de Administração da Oi.

 

De acordo com um comunicado da portuguesa Pharol, a Anatel "denegou anuência prévia à efectivação da posse dos seguintes novos membros do Conselho de Administração da Oi: Pedro Grossi Junior e Nelson de Queiroz Sequeiros Tanure".

 

Este último é filho de Nelson Sequeiros Rodriguez Tanure, o responsável pela criação do fundo Société Mondiale, que é actualmente um dos maiores accionistas da Oi.

 

Apesar destes chumbos, a Anatel aprovou a indicação de seis administradores da Oi, todos nomeados pelo Société Mondiale. São eles Demian Fiocca, Hélio Calixto da Costa, Blener Braga Cardoso Mayhew, Luís Manuel da Costa de Sousa de Macedo, Nelson Sequeiros Rodriguez Tanure e José Manuel Melo da Silva.

 

Além do próprio Nelson Tanure (pai), fica efectivada desta forma a nomeação de mais dois administradores portugueses da Oi. São eles Luís de Sousa de Macedo, que actualmente tem a função de relações com investidores da Pharol e que durante muitos anos foi secretário-geral da PT SGPS; e José Manuel Melo da Silva, que esteve no Montepio e que substituiu Francisco Cary no conselho de administração da Pharol

 

A Oi, no comunicado, diz que está ainda a  avaliar "o teor das deliberações constantes da decisão da Anatel.

Entre os gestores a quem a Anatel deu o "ok", dois vão exercer funções executivas: Demian Fiocca, economista que está ligado ao BNDES e chegou a trabalhar na Telefónica  e Hélio Calixto da Costa, que foi ministro do planeamento.

 

Assim, a administração da Oi tem agora, como efectivos, cinco elementos da Pharol e outros tantos suplentes. Os efectivos mantêm-se Rafael Mora, João Pisco de Castro, Luís Palha da Silva, André Menezes Navarro e Pedro Morais Leitão, sendo suplentes, respectivamente, João Vicente Ribeiro, Luís de Sousa de Macedo, Nuno Vasconcellos e José Manuel Melo da Silva.

 

Esta recomposição do conselho de administração segue-se ao acordo alcançado entre a Pharol e a Société Mondiale, isto depois deste fundo ter pretendido a convocação de assembleias-gerais para a destituição precisamente dos administradores ligados à Pharol, numa altura em que pretendia, também, levar a Pharol e os seus administradores (ex e actuais) a Tribunal. A assembleia-geral acabou por não se realizar e a Pharol acabou por chegar a acordo com Nelson Tanure, que consegue assim entrar na administração da empresa. Antes do acordo, a Pharol chegou a apelidar o fundo de investidor oportunista e dizer que este accionista queria "tumultuar" o processo de recuperação da Oi.

Segundo o site da empresa, a Société Mondiale tem, actualmente, 6,32% da Oi e a Pharol 22,24%.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.01.2017

O mais estranho é que ninguém fala nem escrevem incluindo os jornais portugueses nem as televisões sobre o assunto.

Anónimo 09.01.2017

Os lesados das obrigações da PT que deveriam ter sido pagas em Julho 2016 continuam a viver um calvário pois continuam até ao momento espoliados de 100% do seu capital !