Energia Regulador da energia lança campanha para combater mitos e defender consumidores

Regulador da energia lança campanha para combater mitos e defender consumidores

O regulador da energia quer combater um conjunto de mitos existentes no sector sobre fidelização, serviços associados aos contratos de fornecimento de electricidade e gás natural, tarifas transitórias, leituras e meios de pagamento da factura para defender os consumidores.
Regulador da energia lança campanha para combater mitos e defender consumidores
Bruno Colaço/Correio da Manhã
Lusa 20 de março de 2017 às 07:46

No folheto que a partir de hoje será distribuído por várias organizações de apoio ao consumidor, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) alerta que a fidelização no fornecimento de electricidade e de gás natural não é proibida, mas que "se existir, deve ser explicada e demonstrada ao consumidor qual a vantagem associada".

 

Alertando que "o período de fidelização não se renova automaticamente", a ERSE lembra que a existência de um período de obrigação de permanecer com o mesmo fornecedor durante um determinado período de tempo não impede os clientes de mudarem de fornecedor, mas que "o fim antecipado do contrato pode originar uma compensação ao fornecedor".

 

Um outro mito é que para ter um contrato de energia é necessário ter outros serviços: "O fornecimento de electricidade e de gás natural não pode ser condicionado à subscrição de serviços e a existência de serviços adicionais não deve prejudicar o direito a mudar de fornecer".

 

A questão dos serviços adicionais associados ao fornecimento de electricidade e de gás natural já tinha sido motivo de uma recomendação às empresas na semana passada, um tema que ainda deverá vir a ser debatido no parlamento, depois de terem sido noticiadas várias queixas de consumidores.

 

"Os fornecedores que tenham ofertas comerciais com serviços adicionais devem disponibilizar uma oferta de fornecimento equivalente sem esses serviços", realça o regulador, recomendando ao consumidor que solicite toda a informação para verificar "se a proposta de serviço adicional lhe é favorável e útil antes de se veicular".

 

Sobre a liberalização do mercado - cujo prazo foi recentemente alargado para os clientes domésticos até Dezembro de 2020 -, a ERSE garante que quando acabarem as tarifas transitórias ninguém ficará sem energia: "Não existe risco de não ter escolha ou fornecedor disponível".

 

"Combata este mito não se deixando pressionar pela aproximação de uma data de extinção de tarifas reguladas", adverte, sublinhando que "actualmente, a maioria das ofertas oferece condições de preço mais favoráveis que a tarifa transitória".

 

Sobre as leituras de consumos, o regulador realça que todos os consumidores podem comunicar a leitura e ter a facturação ajustada aos consumos reais, informando que a comunicação de leitura pelo consumidor tem o mesmo valor da leitura efectuada pela empresa.

 

Ainda sobre o pagamento das facturas, o organismo que regula o sector acautela os consumidores que "os fornecedores de energia estão obrigados a disponibilizar vários meios de pagamento, incluindo pagamento em dinheiro", rejeitando o mito de que os pagamentos das facturas tenham que ser por débito directo. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub