Telecomunicações Regulador das comunicações está a investigar campanha da Meo

Regulador das comunicações está a investigar campanha da Meo

A Anacom - Autoridade Nacional de Comunicações disse que está a analisar a campanha da Meo que oferece internet aos clientes em Agosto, mas obriga a pagar após essa data se não cancelarem o serviço não solicitado.
Regulador das comunicações está a investigar campanha da Meo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de agosto de 2017 às 20:02

A associação de defesa do consumidor Deco considerou hoje, em declarações à Lusa, que é ilegal a campanha que está a realizar a operadora detida pela Altice e denunciou o caso à Anacom.

 

Inquirida, fonte oficial do regulador das comunicações disse à Lusa que já entrou "em contacto com a Meo para pedir informação" para aprofundar a investigação.

 

A mesma fonte recordou, contudo, que a "lei exige sempre que haja manifestação expressa de vontade [dos clientes] para contratar o que quer que seja".

 

A associação de defesa do consumidor Deco disse hoje à Lusa que, nos últimos dias, tem recebido dezenas de contactos e queixas a propósito da mensagem telefónica (sms) que a Meo tem enviado a clientes na qual anuncia que atribui dois gigabytes (2GB) adicionais de internet até 31 de Agosto e que após essa data os clientes podem manter esse 'plafond' de internet extra por 3,98 euros por mês, sem fidelização.

 

Já no fim da sms, a Meo diz que se o cliente "preferir não beneficiar destas vantagens" deve ligar "grátis [para o número] 800200023".

 

Segundo a Ana Sofia Ferreira, da Deco, é aqui que está o problema: "Não são os clientes que têm de cancelar um serviço não solicitado", afirmou.

 

Ana Sofia Ferreira explicou que a lei proíbe "claramente" às operadoras a cobrança de qualquer serviço não solicitado e que a ausência de resposta do consumidor não vale como consentimento, pelo que a Meo não pode a partir de 31 de agosto cobrar 3,98 euros por um serviço que os clientes não pediram, mesmo se estes não o cancelarem entretanto. "A Meo pode oferecer, não pode é cobrar", sublinhou.

 

A Lusa contactou fonte oficial da Meo, que disse que o objectivo desta campanha é "premiar os seus clientes com uma oferta de serviços gratuita até 31 de Agosto" e que, após essa data, os "clientes poderão manter estes serviços por um valor muito competitivo, com descontos entre os 50% e os 80% face ao mercado", numa oferta que "não implica qualquer fidelização ou contrapartida" e em que a "Meo garante a possibilidade de cancelamento de forma simples e gratuita, caso o cliente não pretenda continuar a usufruir da mesma".

 

A Lusa questionou novamente a Meo sobre a ilegalidade de que fala a Deco, de terem de ser os clientes a cancelarem o serviço para não pagarem, mesmo quando não foram os utilizadores que solicitaram o serviço, mas até ao momento não obteve resposta.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.08.2017

Eu não percebo o que anda a ANACOM a fazer. Estudar? Se fosse eu tirava-lhes a licença de operar em Portugal. Só assim é que aprendem. Mas estes senhores da Meo não estão sozinhos. Há uns meses recebo uma carta do meu Banco em que diziam que iam disponibilizar o extracto de conta no HomeBanking e que se quizesse manter o extracto em papel para telefonar para o nº 700 e tal. Porque é que não fizeram ao contrário? Quem quizesse o extracto electrónico que telefonasse mas não para o nº 700 e tal que é de valor acrescentado? Lixaram-se porque como estou reformado a minha gerente de conta durante toda a manhã do dia seguinte teve de me ouvir.

comentários mais recentes
SÍTIO MUITO MANHOSO 11.08.2017


... desde que a TMN foi liquidada tudo se modificou para muito pior e a MEO é . . . paupérrima, razão pela qual mudei para a VODAFONE ! ! !

... Veremos se funciona melhor, como esperamos . . .

Anónimo 11.08.2017

Os reguladores são uma farsa que só serve para dar emprego à boyada. Estas empresas monopolistas ou cartelistas continuam a fazer o que lhes apetece e muito bem entendem.

Anónimo 10.08.2017

A EDP faz precisamente o mesmo. Activa a factura electrónica e temos de ser nós nós a ligar para um número a pagar para anular essa alteração. De seguida mandam um novo contracto para eu assinar com essa alteração que eu não quero e não pedi. Anulei o contracto com a EDP e subscrevi outro.

Anónimo 10.08.2017

Eu não percebo o que anda a ANACOM a fazer. Estudar? Se fosse eu tirava-lhes a licença de operar em Portugal. Só assim é que aprendem. Mas estes senhores da Meo não estão sozinhos. Há uns meses recebo uma carta do meu Banco em que diziam que iam disponibilizar o extracto de conta no HomeBanking e que se quizesse manter o extracto em papel para telefonar para o nº 700 e tal. Porque é que não fizeram ao contrário? Quem quizesse o extracto electrónico que telefonasse mas não para o nº 700 e tal que é de valor acrescentado? Lixaram-se porque como estou reformado a minha gerente de conta durante toda a manhã do dia seguinte teve de me ouvir.

pub
pub
pub
pub