Banca & Finanças Regulador diz que seguradoras têm facilitado tratamento dos sinistros de Pedrógão Grande

Regulador diz que seguradoras têm facilitado tratamento dos sinistros de Pedrógão Grande

As seguradoras disponibilizaram 2,5 milhões de euros para ajudar as vítimas o incêndio que deflagrou a 17 de Junho em Pedrógão Grande, segundo adianta José Almaça, da ASF.
Regulador diz que seguradoras têm facilitado tratamento dos sinistros de Pedrógão Grande
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 11 de julho de 2017 às 18:02

O regulador dos seguros, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensão (ASF), diz que as companhias seguradoras têm dado indicações para facilitar o tratamento dos sinistros que ocorreram em Pedrógão Grande em Junho.

 

"As companhias têm dado indicações no sentido de facilitar toda a análise da sinistralidade", garantiu José Almaça, na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa esta terça-feira, 11 de Julho.

 

Na audição anual, Almaça garantiu que existem "indicações bastante concretas às seguradoras" para que sejam sensíveis quando o valor do bem segurado não coincide ao valor que está seguro.

 

Além disso, segundo avançou José Almaça, o "sector segurador disponibilizou 2,5 milhões de euros para ajudar as vítimas do incêndio". O montante é depois "rateado pelas companhias em função do volume de prémios".

 

"Naturalmente que temos vindo a acompanhar directamente, tudo o que se passou, embora a competência para actuar são as companhias e será mais a ASP [Associação de Seguradores Portugueses] do que de nós", frisou o líder da ASF, que termina o seu mandato em 2017.

 

Aos deputados, José Almaça disse mesmo ter tido reuniões com Mário Centeno, ministro das Finanças, para discutir a "matéria de Pedrógão".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub