Aviação Regulador nacional da aviação impõe obrigações à Ryanair

Regulador nacional da aviação impõe obrigações à Ryanair

A ANAC já recebeu “várias centenas” de contactos de passageiros, designamente reclamações, e pediu informações à companhia aérea, para efeitos de eventual instauração de processo de contra-ordenação.
Regulador nacional da aviação impõe obrigações à Ryanair
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Maria João Babo 07 de outubro de 2017 às 15:00
A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) já impôs um conjunto de obrigações à Ryanair, na sequência dos cancelamentos de voos decididos pela companhia aérea irlandesa, no âmbito das quais pode vir a resultar uma eventual instauração de processo de contra-ordenação.

Ao Negócios, fonte oficial do regulador da aviação civil adiantou que entre as diligências efectuadas conta-se até agora a intervenção junto da transportadora aérea para rectificação de informações constantes do site, assim como a determinação para não aplicação de tarifas extra nos casos de prestação de assistência por reencaminhamento. A ANAC teve também de intervir no sentido de obrigar à prestação de esclarecimentos aos passageiros, tendo já procedido à realização de inspecções nas escalas de Lisboa e Porto para verificação da adequação da informação e assistência prestadas aos passageiros.

"A ANAC solicitou um conjunto de informações e elementos à transportadora, estando a decorrer o prazo de resposta previsto do regulamento comunitário, para efeitos de eventual instauração de processo de contra-ordenação", disse a mesma fonte.

O potencial impacto [no caso da Monarch] foi devidamente mitigado até ao momento. fonte oficial da ANAC

O regulador adiantou ainda que foram recebidos várias centenas de contactos, desde pedidos de informações, esclarecimentos de dúvidas relativas aos direitos dos passageiros, nos termos da regulamentação comunitária, e, também, reclamações, não adiantando, no entanto, um número.

De acordo com a ANAC, no caso da Ryanair foram sujeitos a cancelamento cerca de 1.900 voos em diversos aeroportos europeus, estimando-se que possam ser afectados cerca de 325 mil passageiros, no total das operações canceladas. Os voos Ryanair cancelados em aeroportos portugueses foram 374, estimando-se que afectem cerca de 63 mil passageiros.

Já no caso da Monarch, a companhia aérea britânica que entrou em insolvência e interrompeu todas as suas operações na passada segunda-feira, o regulador estima, com base nas informações recolhidas junto das autoridades do Reino Unido, que serão afectados cerca de 1.600 passageiros no total. "A informação sobre os passageiros com destino a Portugal e origem no Reino Unido é de 200 passageiros", adiantou.

A ANAC adianta que está desde essa segunda-feira em contacto permanente com as autoridades do Reino Unido e tem autorizado os voos de repatriamento de passageiros para aquele país, que são efectuados por outras transportadoras ao serviço do Reino Unido. Desta forma, relativamente à Monarch, sublinha, "o potencial impacto desta situação nos aeroportos nacionais foi devidamente mitigado até ao momento".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 1 semana

ACHO BEM.PARA MAL ,JÁ CÁ TEMOS A TAP.A DE "BANDEIRA"...

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Obrigado Ryanair por trazer bilhetes de low cost para Portugal e de grande pontualidade. Acredito que vai superar a crise e voltar com mais força.

O que está a acontecer com a Ryanair Há 1 semana

e a Monachr é fruto das decisões desastradas do Brexit, As companhias em questão começaram a sentir na pele o que se avizinha com a agravante de recuperação inexistente.

surpreso Há 1 semana

ACHO BEM.PARA MAL ,JÁ CÁ TEMOS A TAP.A DE "BANDEIRA"...

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub