Tecnologias Reino Unido acredita que foi a Coreia do Norte que lançou o WannaCry

Reino Unido acredita que foi a Coreia do Norte que lançou o WannaCry

O ministro britânico da Segurança admite que a ideia é consensual entre vários grupos de especialistas e países.
Reino Unido acredita que foi a Coreia do Norte que lançou o WannaCry
Reuters
Negócios 27 de outubro de 2017 às 11:50

O Reino Unido acredita que foi a Coreia do Norte que esteve por detrás do ciberataque denominado WannaCry que, em Maio, paralisou os sistemas de empresas e serviços públicos em todo o mundo, incluindo o Serviço Nacional de Saúde, no Reino Unido.

 

Em entrevista à BBC, o ministro britânico da Segurança, Ben Wallace, admitiu que Reino Unido acredita "fortemente" que o ataque com software malicioso teve origem em Pyongyang, uma conclusão consensual entre vários grupos de especialistas e mesmo países.

 

"A Coreia do Norte é o Estado que nós acreditamos ter estado envolvido neste ataque à escala global aos nossos sistemas", afirmou o ministro, citado pela Reuters, acrescentando que, apesar de não ser possível divulgar pormenores de segurança, é consensual "na comunidade e numa série de países que foi a Coreia do Norte que o fez".

 

O WannaCry infectou mais de 300 mil computadores em 150 países em pouco dias, exigindo às vítimas o pagamento de uma espécie de resgate para desbloquear o computador e desencriptar as informações.

 

Na altura, investigadores na área da cibersegurança identificaram rapidamente possíveis ligações ao regime de Pyongyang.

 

Um relatório, divulgado hoje, sobre o impacto do WannaCry no Sistema Nacional de Saúde conclui que o ataque "relativamente pouco sofisticado" poderia ter sido evitado se o sistema tivesse implementado as melhores práticas no que respeita à segurança. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar