Banca & Finanças Relatório da CGD quer IGF com acesso a dados confidenciais
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Relatório da CGD quer IGF com acesso a dados confidenciais

A IGF queixou-se de não ter acesso a informação confidencial da Caixa Geral de Depósitos, o que limita a sua avaliação. O deputado do PS defende que se deveria dar maior força aos poderes da inspecção das Finanças.
Relatório da CGD quer IGF com acesso a dados confidenciais
Bruno Elias
Diogo Cavaleiro 05 de julho de 2017 às 00:01

A Inspecção-Geral das Finanças (IGF) deve ter acesso a informação confidencial sobre a Caixa Geral de Depósitos, como dados de créditos concedidos, actualmente protegidos pelo dever de sigilo. Essa é)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.07.2017

Portugal é a favela do mundo mais desenvolvido. Chamem a polícia.

comentários mais recentes
Anónimo 05.07.2017

Em países que se deixaram capturar por uma cultura desonesta, onde o mais desonesto vence, e provinciana, pouco atenta à realidade global e à modernidade tal como ela lhes chega do mundo mais desenvolvido, com leis atrasadas, estupidamente redigidas e permissivas a todos os abusos e abusadores, o sindicalismo e o capitalismo de compadrio são capazes de pôr o ofertante de factor trabalho, bens ou serviços com zero procura de mercado na economia, chamemos-lhe o vendedor de areia no deserto, a viver tão ou mais confortavelmente do que o ofertante de factor trabalho, bens ou serviços com muita procura de mercado nessa mesma economia, chamemos-lhe o vendedor de água no deserto. E é claro, uma economia assim cheia de distorções, frontalmente anti-mercado, atrasa-se e empobrece.

Anónimo 05.07.2017

Não os foram despedindo ao longo do tempo como os mais elementares princípios da boa gestão indicavam, agora falidos e a mendigar resgates caridosos é que se lembram de melhorar a política de recursos humanos na organização capturada pelo oneroso excedentarismo sindicalizado de carreira. É uma mentalidade de raptor e burlão a fazer assaltos à mão armada e a exigir resgates sempre que lhe dá na real gana. Triste Portugal.

Anónimo 04.07.2017

Portugal é a favela do mundo mais desenvolvido. Chamem a polícia.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub