Energia REN conclui entrada em gasoduto no Chile por 180 milhões de dólares

REN conclui entrada em gasoduto no Chile por 180 milhões de dólares

A REN concluiu a aquisição de 42,5% de um gasoduto que abastece a capital do Chile e que tem ligação a um dos principais portos do país sul-americano.
REN conclui entrada em gasoduto no Chile por 180 milhões de dólares
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 07 de fevereiro de 2017 às 17:16
A Redes Energéticas Nacionais (REN) fechou a entrada numa empresa do Chile. O negócio ficou fechado por 180 milhões de dólares (168,4 milhões de euros).

A REN comprou à Enel uma participação indirecta de 42,5% no capital social da Electrogas. Esta companhia detém um gasoduto na zona central do Chile com 165,6 quilómetros de comprimento.

A empresa destaca que esta "aquisição foi feita com recurso a linhas de crédito de longo prazo disponíveis no grupo REN". O negócio ficou oficialmente concluído esta terça-feira, 7 de Fevereiro. Antes, em Dezembro, as duas empresas tinham anunciado o negócio e celebrado o contrato de aquisição.

A transportadora de energia diz que este é um "gasoduto de grande relevância no país", pois liga o terminal de regaseificação de Quinteiro à maior cidade do país, a capital Santiago. O gasoduto também tem ligação com a cidade costeira de Valparaíso, "um dos portos mais importantes do Chile".

"A concretização desta aquisição constitui um marco importante na internacionalização da REN e enquadra-se no plano estratégico aprovado pelo conselho de administração da empresa para 2015-2018", afirma a companhia.

"A REN cumpre assim um dos seus objectivos de médio e longo prazos, ao adquirir uma participação relevante num activo enquadrado num dos sectores onde detém ampla experiência e num país com uma economia estável e competitiva", conclui.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Antunes 07.02.2017

E que interesse é que isto tem para os Portugueses consumidores de electricidade?

SALAZAR 07.02.2017

QUE BOM. PARA OS ACCIONISTAS CHINESES E DAS ARÁBIAS. E PARA O CORRUPTOS DOS PORTUGUESES COMO O BOTTON E OUTROS.

pub
pub
pub
pub