Media Renascença deixa Sapo e passa a comercializar a sua publicidade no digital

Renascença deixa Sapo e passa a comercializar a sua publicidade no digital

O Grupo Renascença Multimédia vai integrar na sua equipa de vendas, a partir de Fevereiro, a comercialização do seu espaço publicitário no digital, deixando assim o portal Sapo, do grupo Altice.
Renascença deixa Sapo e passa a comercializar a sua publicidade no digital
Tiago Sousa Dias/Correio da Manhã
Lusa 29 de janeiro de 2018 às 18:02

Em comunicado, o Grupo Renascença Multimédia anunciou que vai passar "a integrar na sua força de vendas, a partir de dia 1 de Fevereiro de 2018, a comercialização de todas as suas propriedades digitais" e que para coordenar a actividade comercial na área digital "contratou Tiago Cruz, até aqui director de publicidade do portal Sapo".

 

Com esta decisão, o grupo que detém a Rádio Renascença e a RFM, entre outros, deixa o portal Sapo, que era até agora responsável pela comercialização de publicidade digital dos títulos.

 

De acordo com a administradora da Intervoz, Renata Silva, "este movimento vem na sequência da evolução do mercado digital e da crescente audiência que as propriedades digitais do Grupo Renascença Multimédia têm vindo a registar, a par da crescente importância do digital nos investimentos de media".

 

Assim, "a contratação de Tiago Cruz é uma mais-valia para a estratégia comercial digital do Grupo Renascença Multimédia", afirmou, considerando que a experiência deste responsável "na área do digital será determinante para o [...] sucesso comercial".

 

O grupo de media recorda que, "nos últimos anos, a comercialização do espaço publicitário dos 'sites' do grupo esteve a cargo do portal Sapo, a quem o Grupo agradece a disponibilidade e a forma profissional como sempre decorreu esta parceria".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.