Automóvel Renault atinge quota de mercado mais elevada em Portugal desde 2004

Renault atinge quota de mercado mais elevada em Portugal desde 2004

A marca francesa está na liderança do mercado nacional há 20 anos.
Renault atinge quota de mercado mais elevada em Portugal desde 2004
André Cabrita-Mendes 17 de janeiro de 2018 às 14:06

A Renault foi a marca automóvel mais vendida em Portugal em 2017. A companhia atingiu assim a sua quota de mercado mais elevada desde 2004: 14,5%.

 

"2017 foi um ano histórico para a Renault em Portugal. São 20 anos consecutivos de liderança da marca Renault em Portugal", disse o director de comunicação da marca, Ricardo Oliveira, esta quarta-feira, 17 de Janeiro.

 

A companhia automóvel gaulesa vendeu 30.112 automóveis ligeiros, e 7.673 comerciais ligeiros. O Renault Clio foi o modelo mais vendido.

 

O responsável da Renault enumerou algumas das razões para o sucesso da marca no mercado nacional: "O adaptar os produtos à exigência dos clientes portugueses, temos uma gama que agrada as pessoas, uma rede de distribuição que cobre o pais todo", afirmou Ricardo Oliveira.

 

Já a Dacia vendeu 6.900 unidades, entre ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros, sendo a 14ª marca mais vendida no país. A Dacia atingiu assim um novo recorde de vendas, como um novo recorde de quota de mercado (2,65%). 

 

Com 6.900 unidades vendidas, (6.612 automóveis de passageiros e 288 comerciais ligeiros), a Dacia bateu um novo recorde de vendas, mas também de quota de mercado, com 2,65%. Números que permitiram assegurar um lugar no top-15 das marcas mais vendidas em Portugal: 14ª posição. 

 

"Queremos [Dacia] crescer em volume e em quota de mercado. A Dacia tem volume para crescer no mercado português", declarou Ricardo Oliveira.

 

Em conjunto, a Renault e a Dacia atingiram uma quota de mercado de 17,14%, a mais elevada desde 1989.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub