Automóvel Renault e Nissan juntam-se a construtor chinês para fabrico de carros eléctricos na China

Renault e Nissan juntam-se a construtor chinês para fabrico de carros eléctricos na China

A aliança dos construtores de automóveis Renault e Nissan anunciou hoje um acordo com o grupo chinês Dongfeng Motor para fabricar e vender uma nova viatura eléctrica na China.
Renault e Nissan juntam-se a construtor chinês para fabrico de carros eléctricos na China
Lusa 29 de agosto de 2017 às 10:23

 

A parceria é traduzida na criação da eGT New Energy Automotive, detida em 50% pela Dongfeng, 25% pela Renault e 25% pelos japoneses da Nissan, segundo um comunicado conjunto.

 

O objectivo é criar um novo automóvel com "interconectividade inteligente e que será desenvolvido com base numa plataforma SUV (ligeiro com características desportivas)".

 

"A criação desta co-empresa com a Dongfeng concretiza a vontade comum de desenvolver veículos eléctricos competitivos para o mercado chinês", disse Carlos Ghosn, o brasileiro responsável da aliança franco-nipónica.

 

O presidente da Dongfeng, Zhu Yanfeng, também fez eco da concretização de um esfoço conjunto para desenvolver veículos eléctricos destinados ao mercado chinês.

 

"Um projecto que assenta num modelo económico inovador", declarou Zhu Yanfeng.

 

A eGT deverá estabelecer a sua sede social em Shiyan, na província de Hubei, no centro da China.

 

O veículo eléctrico será produzido na fábrica da Dongfeng em Shiyan, com capacidade de produzir 120 mil unidades anuais.

 

O fabrico deverá iniciar-se em 2019.

 

Segundo a Associação Chinesa dos Construtores Automóveis, a China representa o maior mercado mundial para os veículos eléctricos: em 2016 foram vendidos 256.879 veículos eléctricos, com um crescimento de 121% face ao ano anterior.

 

Nos primeiros sete meses de 2017 as vendas ascenderam a 204 mil unidades, traduzindo uma subida de 33,6%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub