Construção Renda de 500 euros paga pelo Braga põe Mesquita Machado sob investigação

Renda de 500 euros paga pelo Braga põe Mesquita Machado sob investigação

A Câmara de Braga assinou um contrato com o principal clube da cidade em que permite que este utilize o estádio municipal construído para o Euro 2004 contra o pagamento de 500 euros mensais. A polícia investiga eventual favorecimento, de acordo com o JN.
Renda de 500 euros paga pelo Braga põe Mesquita Machado sob investigação
Eduardo Martins/Correio da Manhã
Negócios 03 de julho de 2017 às 11:38

O Sporting de Braga pagava 500 euros por mês à Câmara bracarense para utilizar o estádio municipal, localizado em Dume, que foi construído para o Euro 2004. Mas este valor estava muito longe de cobrir os gastos da autarquia com, por exemplo, electricidade. Este contrato estará a ser investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Judiciária, uma vez que pode traduzir um eventual favorecimento com prejuízo do erário público, escreve esta manhã o Jornal de Notícias. Na altura, Mesquita Machado era o presidente da Câmara bracarense.

 

De acordo com o diário, esta verba de 500 euros paga pelo Sporting de Braga rendia à câmara seis mil euros anuais, bem longe dos 100 mil euros que o município tinha de pagar relativos às despesas de electricidade e de manutenção do equipamento. Entre 2004 e 2013, a autarquia recebeu 54 mil euros do clube liderado por António Salvador, e gastou cerca de 900 mil euros em despesas. A diferença é de praticamente 850 mil euros – ou seja, a câmara pagou 94% dos gastos do estádio neste período.

 

A situação foi alterada em 2013, com a chegada ao município do actual presidente da câmara Ricardo Rio, que pediu uma auditoria cujo relatório foi enviado para a Procuradoria-Geral da República, que extraiu certidões para inquéritos, alguns ainda em curso, prossegue o JN. Nessa altura, o contrato foi revisto e o Sporting de Braga passou a pagar a sua própria electricidade, ficando a luz dos espaços circundantes a cargo do município.

 

Em investigação está também o prolongamento do túnel da Avenida da Liberdade, em 2013, ainda com Mesquita Machado à frente dos destinos do município. Foi o vereador do PS, Hugo Pires, que se queixou às autoridades de que Ricardo Rio teria pago 700 mil euros relativos a obras a mais que foram reclamadas pela empresa Britalar (de António Salvador). A construtora pedia 1,1 milhões, mas após pareceres de técnicos municipais, concordaram com aquele montante para evitar recorrer à justiça.

 

Mesquita Machado foi ocupando diversos cargos no Sporting de Braga. Em 2013, era presidente do Conselho Geral do clube. Actualmente está fora da estrutura dos arsenalistas.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.07.2017

Grande Mesquita, grande Valentim, Grande Narciso, grandes figuras do Norte entre outros, sempre prontos para mais um round na limpeza das cidades.
Uns ainda em pousio, outros à bica, uma coisa é certa... cleaning is with them...

Pinto 03.07.2017

Eventual... deixem-me rir. Siga o circo. Palhaços não faltam.

Anónimo 03.07.2017

ISTO É UMA VERGONHA NACIONAL. É POR ISTO E OUTRAS COISAS QUE OS CIDADÃOS DE BRAGA NUNCA TIVERAM UMA BAIXA DO IMI. SEMPRE PAGARAM TUDO PELAS TAXAS MÁXIMAS. A CÂMARA NUNCA FEZ UMA DEVOLUÇÃO DE IRS, AO CONTRÁRIO DE MUITAS OURAS, POR ESSE PAÍS FORA. ASSIJM SE ENRIQUESSE...

pub