Transportes Rendas portuárias caem devido às greves em Lisboa

Rendas portuárias caem devido às greves em Lisboa

As receitas da administração portuária de Lisboa recuaram 12% no primeiro semestre devido à redução da movimentação de carga provocada pela paralisação dos estivadores.
Rendas portuárias caem devido às greves em Lisboa
Bruno Simão
Maria João Babo 25 de Novembro de 2016 às 17:21

As rendas pagas pelas concessionárias dos terminais portuários à Administração do Porto de Lisboa (APL) no primeiro semestre deste ano recuaram 12% face ao mesmo período de 2015, não tendo as subidas registadas nos restantes portos sido suficientes para impedir a queda global das receitas.

No boletim das concessões relativo ao segundo trimestre deste ano, a Unidade Técnica de Acompanhamento de Projectos (UTAP) revela que até Junho as receitas acumuladas das administrações portuárias referentes aos terminais concessionados registaram, em termos globais, um decréscimo de cerca de 2% face ao mesmo período, ascendendo a 35,2 milhões de euros.

As receitas da APL foram as únicas a cair, o que a UTAP atribui ao efeito das greves ocorridas no porto de Lisboa, que se traduziram numa "diminuição acentuada do movimento global de mercadorias (de 28%) nos terminais concessionados".

Os trabalhadores portuários de Lisboa iniciaram uma paralisação no dia 20 de Abril, que se prolongou até ao final de Maio.

Ao contrário da capital, as receitas da administração do porto de Aveiro cresceram nos primeiros seis meses 7%, em Setúbal a subida foi de 3% e em Sines de 1%. No porto do Douro e Leixões, as concessionárias de terminais pagaram até Junho último praticamente o mesmo que no final do primeiro semestre do ano passado.

Para o conjunto de 2016 está previsto que as receitas das administrações portuárias ultrapassem os 69 milhões de euros, o que significa que até Junho foram executados 51%. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Se nao le-se a noticia nem acreditava:eu vejo a peixorca cada vez mais impolada,nao deve ser de comer mal,acho.

pub
pub
pub
pub