Banca & Finanças Rendeiro diz que BPP dá "contributo decisivo para êxito político da gerigonça"

Rendeiro diz que BPP dá "contributo decisivo para êxito político da gerigonça"

Num post colocado no seu blogue, o fundador do BPP, João Rendeiro, ironiza com o Orçamento do Estado e defende que os 450 milhões de euros que serão encaixados com o banco representam o dobro do novo imposto sobre o património.
Rendeiro diz que BPP dá "contributo decisivo para êxito político da gerigonça"
Diogo Cavaleiro 17 de Outubro de 2016 às 10:35

"Gerigonça agradece a Rendeiro". É assim que começa um post colocado pelo antigo presidente do BPP no seu blogue Arma Crítica. E é com ironia que João Rendeiro (na foto), cuja gestão do banco foi já alvo de condenações judiciais, comenta o Orçamento do Estado para o próximo ano onde o Estado espera receber 450 milhões de euros da massa falida do banco.

 

"Este contributo do BPP para o orçamento de 2017, de € 450 milhões (cerca de 0,2% do PIB), vale mais do dobro do novel imposto sobre o património", indica João Rendeiro no seu post.

 

Em 2008, o BPP teve de pedir 450 milhões de euros emprestados a seis bancos do sistema, que beneficiaram de uma garantia estatal que, dois anos depois, foi executada quando o banco caminhava para a insolvência. Este é um valor que o Estado reclama junto da massa insolvente e que o tribunal já considerou como privilegiado, ou seja, com privilégio na hierarquia de credores.

 

"A recuperação da garantia concedida pelo Estado ao BPP e executada em 2010 (450 milhões de euros)" deverá acontecer em 2017, segundo o Orçamento do Estado. Aquele valor conta para a consolidação das contas públicas, contribuindo para a redução do défice.  

 

O BPP terá, segundo João Rendeiro, "um papel chave na reposição de direitos e rendimentos no ano que se avizinha". "Um contributo decisivo para o êxito político da geringonça e a sua cavalgada para uma nova maioria governativa", avança, falando num "alto contributo do BPP para o Orçamento de 2017".

 

"Este meu grande contributo para os interesses estratégicos do que é hoje a geringonça não foi o primeiro. Já em 2008 a crise do 'banco dos ricos' foi explorada ad nauseum para esconder os problemas bem mais graves dos outros Bancos – a CGD entre muitos outros", continua, imaginando um alegado encontro com João Galamba, porta-voz do PS, e Mariana Mortágua, deputada do BE, em que teria havido agradecimentos dos partidos que sustentam o Governo ao contributo dado pelo BPP.  

 

A recuperação da garantia estatal ao BPP é possível com a decisão judicial que considera a garantia do Estado como um crédito privilegiado, ou seja, com privilégio de recuperação sobre os outros créditos da massa insolvente. E como o valor obtido pela massa é superior aos 450 milhões de euros, está garantida a recuperação, segundo foi afirmado já pelo antigo presidente da comissão liquidatária, Luís Máximo dos Santos, agora administrador do Banco de Portugal. 

 

O Jornal Económico escreve esta sexta-feira que Jaime Antunes, administrador de sociedades que contestam o direito de privilégio do Estado (que a ser efectivo retira 450 milhões de euros da massa insolvente, deixando uma mais reduzida parcela para o pagamento aos credores comuns), está a ponderar "a possibilidade de colocar uma providência cautelar para impedir o Estado de ir buscar esses 450 milhões antes de serem conhecidas as decisões em todas as acções judiciais em curso". Ao mesmo jornal, disse que a expectativa do Governo e a colocação da obtenção daquela receita no Orçamento do próximo ano é "arriscada". Uma das acções judiciais colocadas pela Liminorke prevê que os 450 milhões de euros sejam pedidos aos bancos e não à massa insolvente do BPP.  

Devido à liderança do BPP, João Rendeiro enfrenta diversos processos judiciais, administrativos e contra-ordenacionais. Este Verão, o Tribunal Constitucional rejeitou um recurso apresentado pelo antigo banqueiro sobre uma multa de 1,5 milhões de euros impostas pelo Tribunal de Santarém.


(Notícia rectificada às 12:30: por lapso, indicava-se que João Galamba era porta-voz do BE quando é, obviamente, porta-voz do PS)




A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Desanimado Há 2 semanas

Isto é de bradar aos céus! Este vigarista que enganou meio mundo, põe as coisas de uma forma que até parece que o estado vai buscar alguma coisa indevida. Fico estupefacto com estes marmanjos que ainda por aí andam, têm blogs e mandam bitaites como de gente honesta se tratasse.

comentários mais recentes
AMLG Há 2 semanas

Olha o santinho que à conta da prescrição de processos se safou de pagar o que tinha efetivamente que pagar. Se mandasse eu nisto ias ver que pagavas e nem bufavas, ou mesmo que bufasses, pagavas na mesma. A bem ou a mal!

pertinaz Há 2 semanas

A ESQUERDALHA PIDESCA ESTALINISTA É AMIGA DOS ESCROQUES

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

nb Há 2 semanas

Não devia, este e outros, estarem a ver o sol aos quadrados?

Ventura Santos Há 2 semanas

Rendeiro só te aviso para ficares quieto no teu buraco de esgoto, caso contrário ainda nem passastes pelo purgatório !

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub