Energia Renováveis em Portugal entre os momentos mais importantes de 2016 para o Guardian

Renováveis em Portugal entre os momentos mais importantes de 2016 para o Guardian

Portugal funcionou durante quatro dias consecutivos em Maio à base de chuva e vento. E o feito das renováveis portuguesas não passou despercebido a nível internacional.
Renováveis em Portugal entre os momentos mais importantes de 2016 para o Guardian
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 21 de dezembro de 2016 às 16:15
Portugal esteve quatro dias a funcionar com electricidade produzida unicamente a partir de energias renováveis. Foram 107 horas com o país a trabalhar somente à base de chuva e de vento, sem carvão ou gás natural.

O feito alcançado em Portugal teve repercussão na imprensa internacional na altura. Agora, chegado o momento de fazer o balanço do ano que termina, o evento não foi esquecido.

O The Guardian elegeu-o mesmo como um dos 12 momentos chave na área da ciência no ano de 2016, com as escolhas do jornal britânico a serem feita por um painel de peritos.

Neste caso, as renováveis portuguesas foram escolhidas pelo professor da University College London, Mark Miodownik.

"O ponto alto do ano para mim foi o anúncio por Portugal de que todo o consumo eléctrico do país tinha sido fornecido por renováveis durante quatro dias consecutivos", escreveu o professor no jornal.

"Afastarmo-nos dos combustíveis fósseis para a energia renovável é certamente o maior desafio cientifício e de engenharia da nossa era."

O professor sublinha que o carvão e o petróleo foram essenciais para criar um "mundo moderno de energia barata, muita comida, bens de consumo e férias no sol".

"Mas se queremos que as nossa crianças tenham isso tudo, então temos de deixar os combustíveis fósseis para trás", destaca Mark Miodownik.

"O feito alcançado em Portugal dá aos governos e às empresas de energia um exemplo concreto de como é que as renováveis podem funcionar, e porque é que devem investir em energia solar, eólica e das ondas", conclui o professor universitário.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.12.2016

Oh Engado Engodo, és sempre assim desbocado, rezingão e mal educado ou foi só hoje??!
Isso é trauma ou mau feitio?
Coitado(s) de quem te tiver por perto. Deve(m) apanhar cada seca!!!

comentários mais recentes
Anónimo 22.12.2016

Renováveis em Portugal entre os momentos mais importantes de 2016 para o Guardian

POR MUITO QUE NOS CUSTE ADMITIR, ISTO FOI OBRA DO SÓCRATES!
COMO DIZIA A MINHA AVÓ:
NÃO HÁ NINGUEM INTEIRAMENTE MAU!

Anónimo 21.12.2016

A Alemanha não tem Sol mas todas as casas lá têm painéis solares, aqui temos sol mas pouca gente tem painéis solares! Portugal é o Koweit das energias renováveis mas o lobi da EDP bloqueou e capturou os portugueses e não deixa Portugal ser 100% de energias renováveis!!!

Slater 21.12.2016

Eólica e solar não são apenas a energia do futuro, são já a energia do presente.
Claro que o foco agora deve ser escolher as políticas mais adequadas para todos podermos delas retirar os devidos benefícios.
https://www.dinheirovivo.pt/economia/energia-solar-e-a-renovavel-mais-barata-do-mundo/
http://sustentarqui.com.br/energia-equipamentos/energia-eolica-e-fonte-energetica-mais-barata-mundo/

Anónimo 21.12.2016


É por demais evidente que as renováveis são o futuro , mas com as políticas actuais é que não , pois se assim for o consumidor , leva sempre Chumbo grosso , seja ele renovável ou fóssil, no auto consumo, um gajo investe na mira de ter algum proveito , mas na prática fica tudo nos bolsos da EDP

ver mais comentários
pub