Energia Renováveis geraram poupanças de 265 milhões em sete anos

Renováveis geraram poupanças de 265 milhões em sete anos

Um estudo da Associação de Energias Renováveis (APREN) aponta que a produção de renováveis gerou poupanças entre 2010 e 2016 para o sistema eléctrico nacional.
Renováveis geraram poupanças de 265 milhões em sete anos
André Cabrita-Mendes 25 de outubro de 2017 às 13:44

A produção de electricidade a partir de fontes renováveis gerou poupanças de 265 milhões de euros entre 2010 e 2016 para o sistema eléctrico nacional, atingindo os 38 milhões de euros por ano.

O estudo foi desenvolvido pela Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) e aponta que com a entrada de electricidade verde no Mercado Ibérico de Electricidade (MIBEL) os preços grossistas de electricidade sofrem uma redução face ao praticado anteriormente.

Um exemplo é o sucedido no dia 1 de Janeiro de 2016. Sem energia renovável, o preço no mercado grossista MIBEL atingia os 63,44 euros por megawatt hora (MWh), mas quando a energia renovável começou a produzir o preço recuou 44,75 euros por MWh: menos 18,69 euros por MWh, gerando poupanças de 370 mil euros num só dia.


"As renováveis não foram um custo para o consumidor, foram pelo contrario, um benefício para os consumidores", disse o presidente da APREN, António Sá da Costa, esta quarta-feira, 25 de Outubro. "O aumento da oferta de electricidade verde reforça a pressão para baixar", afirmou, durante a conferência anual da APREN que decorreu em Lisboa.


A APREN aponta que em sete anos as renováveis em Portugal receberam subsídios no valor de quase 5.700 milhões de euros, mas o efeito do peso das renováveis no MIBEL atingiu quase 6.000 milhões, gerando assim as poupanças de 265 milhões de euros em sete anos, ao ritmo de 38 milhões por ano.


Ao mesmo tempo, o estudo da APREN aponta que "as renováveis evitaram a importação de combustíveis fósseis no valor de 5.260 milhões de euros e pouparam 475 milhões de euros com as licenças de emissão de CO2".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub