Banca & Finanças Rescisões no Banco Popular podem atingir 2.592 empregados

Rescisões no Banco Popular podem atingir 2.592 empregados

O banco deu a conhecer o seu programa de redução da força laboral no qual espera gastar 375 milhões de euros, estimando poupanças anuais entre 175 e 200 milhões de euros.
Rescisões no Banco Popular podem atingir 2.592 empregados
Direitos Reservados
Paulo Zacarias Gomes 07 de Novembro de 2016 às 10:25

O Banco Popular anunciou este domingo um programa de rescisões voluntárias com os seus empregados que deverá chegar a 2.592 pessoas no conjunto da força laboral do Banco Popular e do Banco Pastor.


De acordo com um comunicado enviado à Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV), a instituição espanhola diz ter chegado a acordo com mais de 85% dos sindicatos dos dois bancos. Em causa estão 20% dos empregados, de acordo com o Expansión. 


O processo deverá custar 375 milhões de euros ao banco e garantir poupanças anuais de entre 175 e 200 milhões de euros, mas o valor concreto "dependerá do número de empregados que se inscrevam de forma voluntária nas várias medidas contempladas no acordo", especifica a entidade.


O valor é para já menor do que os 3.000 trabalhadores apontados em Setembro pela agência Bloomberg ou os 2.800 indicados pelo Expansión. Nessa altura, fonte oficial do banco disse ao Negócios que a reestruturação em curso "poderá ter implicações em Portugal, mas desconhece-se em que medida."


A proposta feita aos sindicatos e dada a conhecer ao mercado é omissa em relação à sua aplicação a outros países - os sindicatos signatários (CCOO, UGT, Segrupo, FITC e AMYC) são todos espanhóis - e está ainda dependente da aprovação das autoridades laborais, frisa a instituição.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos Há 3 dias

O melhor a fazerem é despedirem TODOS os empregados, porem os computadores a tomarem conta do negocio, e aumentarem os salários para valore MILIONARIOS dos Administradores dos bancos.
Quando os GRANDE GATUNOS se recusarem a pagar os empréstimos há que fazer as conta dos roubos e POR A PAGAR O ZÉ PROVINHO esses roubos e gestões danosas.
Nós por cá TEMOS CARRADAS de experiencia a por o povo a pagar as bancarrotas e roubos nos bancos.

comentários mais recentes
Gatunos Há 3 dias

O melhor a fazerem é despedirem TODOS os empregados, porem os computadores a tomarem conta do negocio, e aumentarem os salários para valore MILIONARIOS dos Administradores dos bancos.
Quando os GRANDE GATUNOS se recusarem a pagar os empréstimos há que fazer as conta dos roubos e POR A PAGAR O ZÉ PROVINHO esses roubos e gestões danosas.
Nós por cá TEMOS CARRADAS de experiencia a por o povo a pagar as bancarrotas e roubos nos bancos.

Nuno Há 3 dias

Os funcionarios em Portugal esta manhã tinham a dizer que iam ser despedidos 400.

Anónimo Há 3 dias

COFINA: INVERSÃO DA QUEDA
Receitas de jornais e TV no 1ºSem./16 caíam -1% (para 39,9 M€), 3 meses após no conjunto de 9 meses/2016 já sobem 0,9% (para 61,1 M€). Dívida liquida continua a baixar,para 56,5 M€,menos 2,1 M€ que final de Junho/16. E, tem lucros de 3,6 M€ nos 9 meses. COMPRAR FORTEMENTE.

pub
pub
pub
pub