Aviação Resolvido o problema de abastecimento no aeroporto de Lisboa

Resolvido o problema de abastecimento no aeroporto de Lisboa

A ANA - Aeroportos de Portugal informou, às 00:30, estarem resolvidos os problemas no abastecimento de aeronaves no aeroporto de Lisboa e que serão efectuados voos durante esta noite para "normalizar a situação".
Resolvido o problema de abastecimento no aeroporto de Lisboa
Bruno Simão
Lusa 11 de maio de 2017 às 00:56

Fonte oficial da empresa precisou à agência Lusa que a ANAC autorizou a realização de voos durante a noite para que possa ser normalizada a operação no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, que levou ao cancelamento de 64 voos, 11 desviados e 322 afectados por atraso.

 

Entretanto, foram disponibilizadas camas da Protecção Civil para passageiros que se mantêm esta noite nas instalações do aeroporto, nomeadamente por não terem sido acomodados pelas suas companhias ou por quererem permanecer no local ou porque irão viajar brevemente, acrescentou Rui Oliveira, porta-voz da ANA.

 

"Esta é uma medida de apoio aos passageiros", resumiu a mesma fonte, notando que a maior parte dos passageiros foram protegidos pelas companhias.

 

Devido ao problema no sistema de abastecimento de combustíveis foram cancelados 64 voos, 11 divergidos e 322 afectados por atrasos. "A situação no aeroporto está calma", concluiu a fonte da ANA.

 

Em conferência de imprensa na quarta-feira, o director do aeroporto, João Nunes, tinha explicado que os problemas com o abastecimento começaram na quarta.feira, 10 de Maio, pelas 12:00, tendo a empresa avançado que a situação deveria estar resolvida pelas 21:00.

 

Realçando tratar-se de "uma situação que aconteceu pela primeira vez", o responsável explicou que o abastecimento começou a ser feito com recurso a autotanques, o que permitiu a partida de alguns voos, mas sem garantir o normal funcionamento da operação. "Se não fosse o abastecimento por autotanque estaríamos em muitos maus lençóis neste momento", declarou.

 

Milhares de pessoas ficaram retidas na zona de embarque do Terminal 1 do Aeroporto de Lisboa, à espera de informações sobre o atraso ou eventual cancelamento de voos, com os passageiros a descreverem um "cenário caótico".

 

O sistema de abastecimento de combustível ao Aeroporto de Lisboa é da responsabilidade do GOC [Grupo Operacional de Combustíveis, liderado pela Petrogal e que reúne as principais petrolíferas].

 

Para quem ficou retido em Lisboa, o director do Aeroporto Humberto Delgado garantiu que seriam asseguradas "condições mínimas de descanso".

 

A avaria que bloqueou o abastecimento das aeronaves no Aeroporto de Lisboa afectou, além do sistema de alimentação principal, também o redundante, devido a uma entrada de ar que fez desferrar o circuito, segundo fonte aeroportuária.

 

João Nunes explicou que a avaria deu-se quando, "por um motivo de operação, num dos três tanques de abastecimento de combustível, houve uma situação que aconteceu pela primeira vez, que foi 'desferrar'", devido ao facto de ter começado a entrar ar.

 

Por questões de segurança e precaução, existe um circuito redundante de abastecimento, mas, segundo o mesmo responsável, "infelizmente, o que aconteceu não afectou só o sistema de alimentação principal, também no sistema redundante entrou ar", criando dificuldades em resolver o problema e obrigando ao recurso a camiões autotanques.

 

"Deparámo-nos com uma incapacidade de abastecimento de combustível. O abastecimento de combustível às aeronaves é feito fundamentalmente por hidrantes. São sistemas que levam o combustível até às várias posições de estacionamento dos aviões. Nessas posições de estacionamento há umas viaturas que acabam por fazer 'o bombeiro' para cada uma das aeronaves (...) . Nós temos um sistema sofisticado", garantiu. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub