Aviação Resposta a Trump? Qatar Airways quer comprar 10% da American Airlines

Resposta a Trump? Qatar Airways quer comprar 10% da American Airlines

A companhia de bandeira do Qatar quer adquirir uma participação de 10% da American Airlines. Notícia surge poucas semanas depois do presidente norte-americano ter assumido ter algum crédito pelo corte de relações entre Doha e outros cinco países árabes.
Resposta a Trump? Qatar Airways quer comprar 10% da American Airlines
Negócios 22 de junho de 2017 às 16:15

A Qatar Airway, companhia de bandeira do emirado, pretende comprar uma participação de 10% na American Airlines Group. A notícia foi, de acordo com a Bloomberg, revelada esta quinta-feira, 22 de Junho, pela companhia aérea norte-americana.

Esta intenção da companhia de bandeira do Qatar surge poucas semanas depois do presidente do Estados Unidos, Donald Trump, ter admitido que tinha desempenhado um papel importante na decisão de cinco países árabes de cortarem relações com Doha.


Além desta pretensão da Qatar Airways surgir depois deste incidente político, a vontade da empresa vem acentuar ainda mais a guerra que há entre as companhias americanas e as do Golfo Pérsico. As transportadoras americanas acusam as homólogas de beneficiarem de vantagens injustas, dado que recebem elevados subsídios estatais, escreve a Bloomberg.


Caso a transportadora do Qatar consiga adquirir esta participação, algo que precisa de aprovação da administração da empresa americana, vai transformar a Qatar Airways numa das principais accionistas da empresa americana, a par com a Berkhire Hathaway de Warren Buffett.


A American Airlines Group emitiu um comunicado onde expressa a sua esperança que as autoridades norte-americanas continuem a defender as companhias americanas contra "as empresas que recebem elevados subsídios que ameaçam o sector da aviação americano e ameaça os empregos americanos". A empresa não quis fazer qualquer comentário à pretensão da Qatar Airways, de acordo com a Bloomberg.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub