Telecomunicações Resultados da Orange sobem 1,6% graças às vendas de serviços wireless em Espanha e África

Resultados da Orange sobem 1,6% graças às vendas de serviços wireless em Espanha e África

Os resultados da francesa Orange cresceram 1,6% no terceiro trimestre deste ano, impulsionados pelas vendas de serviços wireless em Espanha e África. O EBITDA da empresa subiu para 3,6 mil milhões de euros.
Resultados da Orange sobem 1,6% graças às vendas de serviços wireless em Espanha e África
Bloomberg
Ana Laranjeiro 25 de Outubro de 2016 às 08:17

A operadora de telecomunicações francesa Orange apresentou um crescimento de 1,6% nos resultados do terceiro trimestre deste ano. As vendas de serviços wireless no mercado espanhol e no mercado africano, bem como a procura por banda larga no mercado francês, explicam este resultado, de acordo com a Bloomberg.

O EBTIDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) subiu para 3,6 mil milhões de euros, revelou a empresa citada pela agência de informação. Este valor fica ligeiramente acima dos 3,59 mil milhões de euros estimados pelos analistas. As receitas cresceram 0,8% para 10,3 mil milhões de euros de Julho a Setembro deste ano, igualando o valor estimado pelos especialistas.

A empresa angariou mais 134 mil clientes no segmento de banda larga em França neste período. E mais 187 mil clientes no segmento móvel no terceiro trimestre também no mercado gaulês de acordo com informações prestadas pelo director financeiro, Ramón Fernandez, em conference call.

Relativamente ao mercado espanhol, segundo escreve a Bloomberg, as vendas cresceram 7,8%. Em África e no Médio Oriente as vendas subiram 2,5%. As receitas apenas no mercado gaulês diminuíram 0,6%.

O director financeiro da Orange, Ramón Fernandez, em conference call, adiantou, citado pela agência, que "o quarto trimestre vai ser melhor do que o terceiro".

Em Abril, Orange chegou a acordo para comprar 65% do francês Groupama, que detém o Groupama Banque. O objectivo da operadora é alargar a sua actividade ao campo financeiro com o lançamento de um banco "mobile".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub