Empresas Retoma da economia "alimenta" vendas no catering

Retoma da economia "alimenta" vendas no catering

As mais de mil empresas de catering vão facturar este ano 600 milhões de euros no mercado português. A comida para o sector dos transportes, incluindo as companhias aéreas, é o segmento em maior crescimento.
Retoma da economia "alimenta" vendas no catering
A chamada "restauração colectiva" é a principal área de actividade, pesando 78% das receitas totais.
Cofina Media
António Larguesa 06 de novembro de 2017 às 12:20

O volume de negócios no sector do catering deve ascender a 600 milhões de euros no final de 2017, com a Informa D&B a projectar um crescimento entre 3% e 4%. Para este aumento adicional do valor do mercado, que "consolida a tendência de crescimento" iniciada no ano passado, contribui o "contexto macroeconómico favorável".

 

Numa nota divulgada esta segunda-feira, 6 de Novembro, a "retoma da procura privada", as "menores restrições na despesa pública" e a "maior actividade económica" são apontados como os motivos que estão a favorecer o aumento da facturação deste sector, no qual trabalham perto de 18 mil pessoas. Em 2016 já tinha crescido 4,5% em termos homólogos, depois de o ano anterior ter sido marcado pelo emagrecimento das receitas.

 

A verdade é que após vários anos a encolher, também o número de empresas de catering no mercado português voltou a aumentar a partir de 2015, totalizando 1.134 nesse ano. Apesar do predomínio dos operadores de pequena e média dimensão, os dois maiores (o grupo Trivalor e a Eurest) detinham em conjunto uma quota de mercado de 55,2%.

 

A análise segmentada mostra ainda que a "restauração colectiva" é a principal área de actividade, pesando 78% das receitas totais num valor próximo dos 455 milhões de euros. Também a crescer, "num contexto de forte subida do tráfego de passageiros nos aeroportos portugueses", estão os serviços de catering para o sector de transporte, que valem quase 13%.

 

A restante facturação, a rondar os 50 milhões de euros depois de um crescimento "moderado", veio em 2016 do catering para eventos. Neste segmento, que é um dos que acaba por ter maior visibilidade pública, a evolução "depende em grande medida do comportamento do consumo privado", segundo a análise da companhia que integra a D&B Worldwide Network, considerada a maior rede de informação mundial sobre empresas e outras organizações.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O povo tuga quer pão e bolos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Quando faltar o pão em Portugal o Costa vai mandar os secretários distribuir brioches.

Anónimo Há 2 semanas

O povo tuga quer pão e bolos.

pub