Banca & Finanças Rioforte deve 2,5 mil euros em salários e 30 mil em impostos

Rioforte deve 2,5 mil euros em salários e 30 mil em impostos

As três empresas de topo do Grupo Espírito Santo têm 36 mil euros em créditos privilegiados, revelam os dados da primeira verificação das reclamações dos credores. A Rioforte é a principal responsável pelo montante.
Rioforte deve 2,5 mil euros em salários e 30 mil em impostos
Diogo Cavaleiro 15 de Novembro de 2016 às 13:17

A Rioforte deve 2,5 mil euros em salários, 30 mil euros em impostos e quase 609 euros em segurança social. Estes são os créditos privilegiados já verificados pelos responsáveis por acompanhar a insolvência da empresa que liderava o ramo não financeiro do Grupo Espírito Santo.

 

Ao todo, a Rioforte tem créditos privilegiados já reconhecidos, na audição de 20 de Outubro, no valor de 33.185,06 euros, de acordo com uma nota oficial datada de 14 de Novembro. Esta foi a primeira verificação de créditos da empresa, por parte dos curadores de insolvência, Alain Rukavina e Paul Laplume, e visou apenas os credores que, na hierarquia de insolvência, têm privilégio perante os outros, como são o Estado luxemburguês (o grão-ducado é a sede das sociedades e onde decorrem os processos) e os trabalhadores. Sendo a verificação "número 1" podem ainda ocorrer outras. 

 

A verificação reconheceu parte das reclamações que chegaram ao Luxemburgo, onde está a decorrer a insolvência. Até 31 de Agosto, e como já havia sido divulgado, houve 1.390 reclamações a pedir 3,16 mil milhões de euros à Rioforte. A empresa, através da qual o Grupo Espírito Santo controlava sociedades como a Espírito Santo Saúde, a Espírito Santo Property e as companhias no Brasil e no Paraguai, tem nos seus cofres apenas 138,6 milhões de euros, 28 milhões dos quais objecto de arresto judicial. O volume de créditos pode ainda aumentar tendo em conta que podem ser enviadas novas reclamações até 31 de Maio de 2017.

 

Tal como aconteceu com a Rioforte, os responsáveis pela insolvência do GES no Luxemburgo fizeram a verificação dos créditos privilegiados da Espírito Santo Control, "holding" de topo onde os membros da família Espírito Santo tinham participações accionistas. Neste caso, foi reconhecido um crédito fiscal privilegiado no valor de 1.543 euros. Um montante que se junta ao crédito fiscal privilegiado de 1.612,20 euros admitido na insolvência da Espírito Santo International, sociedade detida pela ES Control e que, por sua vez, controlava a Rioforte, e onde foram detectadas as manipulações das contas que acabaram por contribuir para a derrocada do GES.

 

Na sua soma, as três empresas do GES têm 36 mil euros em créditos privilegiados, revelam os dados da primeira verificação das reclamações dos credores. Mas as reclamações de crédito totais, que envolvem outras categorias de credores, são de valor muito superior (se na Rioforte as reclamações ascendem a 3,16 mil milhões, na ESI são de 4,77 mil milhões). Entre eles está a Rioforte, que subscreveu 897 milhões de euros em papel comercial da Rioforte que não foi devolvido, e os clientes do Banco Espírito Santo que, aos balcões do banco, subscreverem papel comercial da Rioforte mas também da ESI. 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
??? Há 3 semanas

2000 paus?

anti ESCUMALHA Há 3 semanas

Ora aqui está um bom status! Viva a corrupção, impunidade, e claro, viva Portugal !!!

Penhorem as casas e carros dos bandidos Há 3 semanas

Esta escumalha rouba e depois o contribuinte paga. Penhorem-lhes os bens ou prendam-nos.

vitor damião romel Há 3 semanas

E depois brincavam quando o Guterres um dia disse " é só fazer as contas "

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub