Banca & Finanças Rodrigo Echenique é o novo presidente do Popular

Rodrigo Echenique é o novo presidente do Popular

O conselho de administração do Banco Popular nomeou esta terça-feira Rodrigo Echenique, vice-presidente do Banco Santander e presidente do Santander España, para presidir à entidade financeira que foi comprada pelo banco liderado por Ana Botín.
Rodrigo Echenique é o novo presidente do Popular
Bloomberg
Negócios 20 de junho de 2017 às 17:58

Os media espanhóis estão a avançar que Rodrigo Echenique Gordillo foi o nome designado pela administração do Popular para liderar o banco.

 

O novo conselho de administração do Banco Popular, adquirido pelo Santander, será composto por 14 mmebros, dois terços dos quais provenientes do Popular e um terço do grupo presidido por Ana Botín, refere o Expansión.

O Grupo Santander, que comprou o Popular no passado dia 7 de Junho por um euro, depois da resolução do banco pelas autoridades europeias, dá assim por concluída a primeira etapa de estabilização daquela entidade, referiu a instituição financeira em comunicado citado pelo Cinco Días.

O Santander sublinhou também, citado pelo El Mundo, que assim que se obtenham as autorizações definitivas da Autoridade da Concorrência, em Espanha, o Banco Popular será integrado na estrutura do Santander España e Alberto Delgado será o responsável pelo negócio do Popular.

 

Segundo o website Hispanidad, Echenique, com 69 anos, foi também presidente da Metrovacesa e conselheiro coordenador na Inditex (que conta com marcas como a Zara). Foi também presidente não executivo do NH Hoteles. Echenique foi ainda presidente não executivo da Vocento e da Merlin Properties.

 

De todos estes cargos, é ainda administrador não executivo da Inditex, refere o El País. 


(notícia actualizada às 17:56)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar