Media RTP diz que 1,32 milhões para Pedrógão foram para as Misericórdias

RTP diz que 1,32 milhões para Pedrógão foram para as Misericórdias

Depois das dúvidas dos autarcas, do desafio do PSD, do pedido de averiguação de Marcelo Rebelo de Sousa e das explicações de António Costa, a televisão pública veio esclarecer que o valor arrecadado com iniciativas solidárias em que a RTP participou foi dado às Misericórdias.
RTP diz que 1,32 milhões para Pedrógão foram para as Misericórdias
Paulo Zacarias Gomes 06 de setembro de 2017 às 13:12
A Rádio e Televisão de Portugal diz que o valor proveniente de donativos para as vítimas de Pedrógão Grande, feitos através de linhas solidárias e do concerto promovido pela estação pública, foi entregue à Santa Casa da Misericórdia de Pedrogão Grande e à União das Misericórdias Portuguesas.

No total, segundo um comunicado remetido às redacções esta quarta-feira, 6 de Setembro, as duas formas de angariação permitiram reunir um total de 1.324.331,32 de euros. A maior parte do montante, esclarece a empresa, veio do concerto solidário Juntos Por Todos.

A verba oriunda deste espectáculo (1.190.047,72 euros) foi destinada à "União das Misericórdias Portuguesas, por decisão conjunta dos organizadores e promotores do concerto solidário". O objectivo, refere, foi o "de ajudar a recuperar o maior número possível de casas de habitação permanente e a fomentar apoio ao emprego na região, através de ferramentas de trabalho e equipamentos agrícolas."

Neste caso, a RTP refere ter-se associado à iniciativa, "promovida pela Sons em Trânsito (Vasco Sacramento)." 

Já os 134.283,60 euros (sem IVA), que resultaram do uso da "linha solidária com a Meo", foram entregues à Santa Casa de Pedrogão Grande. Este montante já foi utilizado: "Em Agosto, a RTP foi informada (...) que o dinheiro serviu para recuperar casas de primeira habitação, nas freguesias de Vila Facaia e Graça," acrescenta o documento. 

O esclarecimento chega depois de, nos últimos dias, os autarcas da região afectada pelos incêndios de Julho passado - presidentes das câmaras de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos - terem afirmado ao i desconhecerem o destino do dinheiro colocado em "dezenas de contas" abertas para canalizar donativos para o incêndio, pedindo a intervenção do Ministério Público.

Ontem, depois de desafiado pelo PSD a explicar o destino dos valores, o primeiro-ministro António Costa afirmou que o Estado, após a tragédia do incêndio de Pedrógão Grande, só organizou um fundo, o Revita, que tem 1,9 milhões de euros e é gerido conjuntamente com as autarquias e sociedade civil, avançou a Lusa.

"Relativamente às verbas do fundo Revita, as intenções de doação chegam até 4,9 milhões de euros, apesar de, efectivamente, só termos recebido até agora 1,9 milhões. Sendo um fundo público, é gerido em conjunto com as autarquias e com a sociedade civil", disse.

Costa apontou ainda que o conselho de administração do Revita é constituído por um elemento do Instituto da Segurança Social, pelo presidente da Câmara de Castanheira de Pera e pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pombal.

"São estas três pessoas que estão a gerir esse 1,9 milhões de euros", salientou o primeiro-ministro, verbas que se destinam prioritariamente, defendeu, a dois objectivos: "Ao apoio à reconstrução das habitações, onde cerca de 19 já tem obras em curso ou concluídas após financiamento deste fundo; ou para apoiar agricultores cujos prejuízos se situam entre 1053 e cinco mil euros".



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O DR COSTA ATÉ ESTEVE BEM QUANDO DISSE QUE O GOVERNO APENAS PODE INDICAR A DISTRIBUIÇÃO DO DINHEIRO QUE ESTIVER NAS MÃOS DO ESTADO.

O SR PRESIDENTE DA CARITAS É QUE NÃO RESISTIU E, AO SENTIR-SE INCOMODADO, EM VEZ DE DIZER QUE PUBLICARIA A LISTA DOS BENEFICIARIOS, VEIO DIZER A DESPROPÓSITO QUE SE O GOVERNO TIVESSE DÚVIDAS ( O QUE NÃO FOI MANISFESTADO PELO GOVERNO), PODERIA JUNTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PEDIR PARA AVERIGUAR AS CONTAS NOS BANCOS.
ESTA GENTE FAZ SEMPRE DE BONZINHOS MAS DE VEZ EM QUANDO MOSTRAM A VERDADEIRA RAÇA!

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Mr.Tuga
Merecias que te ardessem as unhas dos pés nos fogos de verão. Andam por aqui grandes colaboradores. Promotores da reforma da floresta como foram promotores da reforma agrária. Papões

Mr.Tuga Há 2 semanas

Eu não fui em pieguices e lamechices e não dei um tostão! O tuga bronco e desleixado não merece!

Anónimo Há 2 semanas

O DR COSTA ATÉ ESTEVE BEM QUANDO DISSE QUE O GOVERNO APENAS PODE INDICAR A DISTRIBUIÇÃO DO DINHEIRO QUE ESTIVER NAS MÃOS DO ESTADO.

O SR PRESIDENTE DA CARITAS É QUE NÃO RESISTIU E, AO SENTIR-SE INCOMODADO, EM VEZ DE DIZER QUE PUBLICARIA A LISTA DOS BENEFICIARIOS, VEIO DIZER A DESPROPÓSITO QUE SE O GOVERNO TIVESSE DÚVIDAS ( O QUE NÃO FOI MANISFESTADO PELO GOVERNO), PODERIA JUNTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PEDIR PARA AVERIGUAR AS CONTAS NOS BANCOS.
ESTA GENTE FAZ SEMPRE DE BONZINHOS MAS DE VEZ EM QUANDO MOSTRAM A VERDADEIRA RAÇA!

Anónimo Há 2 semanas

Aguarda-se a devida confirmação desta informação pela entidade recebedora, a União das Misericórdias Portuguesas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub