Media RTP diz que vai encontrar condições para fazer Eurovisão "sem excessos"

RTP diz que vai encontrar condições para fazer Eurovisão "sem excessos"

Com a vitória inédita de Portugal no Festival Eurovisão da Canção - com "Amar pelos dois", interpretada por Salvador Sobral - o país fica com a tarefa de organizar o evento no próximo ano.
RTP diz que vai encontrar condições para fazer Eurovisão "sem excessos"
Miguel Baltazar
Lusa 16 de maio de 2017 às 19:08

O presidente da RTP, Gonçalo Reis, afirmou hoje que a estação pública vai "encontrar condições para fazer a Eurovisão [o festival]", que se realiza em Portugal em 2018, "sem excessos".

 

Portugal ganhou no sábado, pela primeira vez, o Festival Eurovisão da Canção, com "Amar pelos dois", interpretada por Salvador Sobral, e vai organizar no próximo ano o evento.

 

O Festival Eurovisão da Canção "vai ser uma grande oportunidade", acrescentou Gonçalo Reis (na foto) aos jornalistas, à margem da inauguração do parque fotovoltaico da RTP.

 

"Estou entusiasmado", disse o gestor, salientando que esta é uma oportunidade não só para Portugal como também para o turismo, entretenimento e para a RTP.

 

Sem falar em valores, já que o dossiê ainda está a ser estudado, o presidente do Conselho de Administração da RTP disse esperar que o valor envolvido esteja "dentro do razoável".

 

"Já nos passaram o caderno de encargos, com requisições técnicas muito específicas", o que vai ser "trabalhado nas próximas semanas e meses", acrescentou, apontando que ainda está a ser definida a equipa que vai acompanhar o tema.

 

Para já, está agendada uma reunião com os responsáveis da Eurovisão para 13 de Junho.

 

"Do ponto de vista técnico há muitas exigências e a RTP tem de o saber fazer", salientou, acrescentando que a realização do Festival Eurovisão da Canção vai levar à mobilização de recursos da RTP.

 

Gonçalo Reis disse que o local do evento ainda não está definido.

 

Sobre os custos do evento, que os media têm apontado entre os 30 e os 50 milhões de euros, tendo como referência a realização do mesmo evento em outros países, Gonçalo Reis apontou que há casos em que foi necessário construir pavilhões de raiz, o que não acontece em Portugal, que tem "infraestruturas excelentes".

 

"É prematuro" avançar com valores, adiantou o gestor.

 

Gonçalo Reis adiantou que na noite em que Portugal venceu foi contactado "por grandes marcas nacionais", que manifestaram a sua disponibilidade para patrocinar o evento.

 

"Têm chovido manifestações de interesse", sublinhou, acrescentando que a RTP conta que o evento, que será realizado em Portugal no próximo ano, apresente um "tom de qualidade, elegância e simplicidade".

 

Destacou ainda que o turismo e as autarquias também beneficiam da realização do Festival Eurovisão da Canção e que haverá articulação com essas entidades.

 

Durante a inauguração do parque fotovoltaico da RTP, que está a funcionar desde 07 de Abril, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, lançou um repto à administração da empresa para que seja feito um festival "com produção de energia renovável" apenas.

 

"É possível fazê-lo", considerou o governante, que sublinhou que o país vai ter visibilidade por ocasião da realização da Eurovisão.

 

Por sua vez, a administradora Cristina Vaz Tomé adiantou que o parque fotovoltaico resultou de um investimento de 300 mil euros, com um retorno previsto entre nove a 10 anos.

 

"Vamos ficar com menor dependência" energética, acrescentou a gestora, que também avançou que este ano a RTP vai "ter carros eléctricos na frota" e que tal não será apenas em Lisboa, alargando-se às ilhas.

 

A RTP está ainda a estudar a possibilidade de "aproveitar as águas pluviais", disse.

 

A infraestrutura hoje inaugurada é constituída por 900 painéis fotovoltaicos, instalados numa área de 1.450 metros quadrados e que irá produzir por ano o equivalente ao consumo energético de 118 lares portugueses, tendo a empresa portuguesa Enforce sido responsável pela execução do projecto.

 

Os painéis foram colocados numa zona de parque automóvel, permitindo ainda servir de sombra para os mesmos.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros 17.05.2017

Os socialistas do António Costa pagarão a despesa, 30 M ou 40 M, para eles é indiferente: irão buscá-los aos nossos impostos. Os esquerdistas gostam de nos derreter o cacau.

João 17.05.2017

30 a 50 milhões ? Estão a brincar com os pagantes de impostos, certo?

Francisco António 17.05.2017

Vou rezar para que a gestão da RTP tenha juízo e não se meta em aventuras ! Mas o que é que adianta derreter 30, 40 ou mais milhões de euros para fazer uma festa de cantigas que vai durar 1 semana ? Somos "ricos" ???

Paulo Silva 17.05.2017

Que vergonha. Tudo na mesma como a lesma. Parece o regresso ao passado das obras faraonicas dos estadios e das rotundas. Parece normal com o pais neste estado investir 30.000.000 a 50.000.000 euros para organizar este festival. pergunto onde vai a RTP buscar este dinheiro todo?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub