Banca & Finanças Rui Cartaxo assume presidência do conselho de administração do Novo Banco

Rui Cartaxo assume presidência do conselho de administração do Novo Banco

Rui Cartaxo vai assumir a presidência do Conselho de Administração do Novo Banco, no âmbito da alteração dos estatutos da instituição financeira, e António Ramalho mantém-se presidente executivo, anunciou hoje a instituição.
Rui Cartaxo assume presidência do conselho de administração do Novo Banco
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios com Lusa 08 de abril de 2017 às 18:22

Em comunicado, o Novo Banco informou que, na sequência da deliberação do seu único accionista Fundo de Resolução, foram alterados os estatutos do banco.

 

"Nesta alteração de estatutos agora aprovada e proposta pelo Novo Banco a 21 de Dezembro de 2016, destaca-se, na linha das melhores práticas de governance, a alteração da estrutura de administração e fiscalização do Novo Banco que passa a ser composta por um conselho de administração – compreendendo agora um chairman, função que será assumida por Rui Cartaxo", refere a instituição financeira.

 

"A Comissão Executiva continua a ser liderada por António Ramalho", refere, acrescentando que foram ainda aprovados como órgãos de fiscalização uma comissão de auditoria e um revisor oficial de contas.

 

Nascido em 1952, Rui Cartaxo era até agora consultor do conselho de administração do Banco de Portugal, tendo sido responsável pelo grupo de trabalho que fez o livro banco da regulação.

 

Licenciado em economia pelo ISEG, Rui Cartaxo assumiu cargos de gestão em algumas das maiores empresas portuguesas do sector das telecomunicações e energia, nas duas últimas décadas.

 

Foi presidente executivo da REN entre 2009 e 2014, depois, de entre outras funções, ter sido administrador executivo da Transgás, da Galp Energia, da Galp Espanha e ainda da REN.

 

Na área das telecomunicações, teve o cargo de administrador financeiro (CFO) da 'holding' que promoveu a fusão da Telecom Portugal, TLP e Marconi, tendo ainda coordenado o IPO [entrada em bolsa] da Portugal Telecom, a primeira operação de dispersão de capital de uma empresa portuguesa nos mercados internacionais.

No passado dia 23 de Dezembro, o Negócios tinha já avançado que Rui Cartaxo estaria a caminho da presidência não executiva do Novo Banco. A designação cabia ao accionista, neste caso o Fundo de Resolução, com o antigo líder da REN a reunir um forte consenso para vir a ocupar o cargo de chairman, que até aqui não existia na instituição.

A introdução da figura do chairman faz parte dos novos estatutos do Novo Banco, que assentam numa integração de administradores não executivos. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.04.2017

Num banco à beira de ser vendido. liquidado, ou sabe-se lá o quê.

Mais um tacho para os amigo, neste caso da administração do Banco de Portugal, a pagar pelo Zé Contribuinte ...

Aguente Zé, ai não que não aguentas!

Camponio da beira 10.04.2017

Os (intermináveis) conselhos de administração, são constituidos por gente tão competente que cada vez têm que ser mais para fazer o mesmo, ou menos trabalho.

pub
pub
pub
pub