Banca & Finanças Rui Vilar e Tudela Martins saem da CGD mas para entrar em breve

Rui Vilar e Tudela Martins saem da CGD mas para entrar em breve

Rui Vilar e Tudela Martins entraram para a CGD em 2016, pela mão de António Domingues, para o mandato até 2019. Renunciaram agora aos cargos. Mas fazem parte da equipa escolhida composta por Paulo Macedo com mandato até 2020.
Rui Vilar e Tudela Martins saem da CGD mas para entrar em breve
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 27 de dezembro de 2016 às 19:19
"A Caixa Geral de Depósitos, S.A. informa que os Senhores Dr. Emílio Rui Vilar e Dr. João Paulo Tudela Martins renunciaram, respectivamente, aos cargos de vice-presidente não executivo e de vogal executivo do conselho de administração, tendo em vista iniciar um novo mandato de 2017-2020 com uma nova equipa"

As demissões no banco público estão em comunicado enviado à CMVM mas são protagonizadas pelos únicos dois elementos que estão, igualmente, na equipa escolhida pelo Governo para a próxima administração.

Rui Vilar era o vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos da administração presidida por António Domingues (que era também o presidente executivo), que entrou em funções a 31 de Agosto. No final de Novembro, Domingues demitiu-se depois da polémica em torno da falta de apoio político devido à recusa da sua equipa em entregar a declaração de rendimentos e de património junto do Tribunal Constitucional. 

Rui Vilar não o acompanhou, ficou na equipa na CGD e acabou por ser o nome escolhido pelo Executivo para ficar como presidente da administração. Agora demite-se. Mas, na prática, sai da administração que tinha mandato entre 2016-2019 e passa a integrar, quando houver autorizações do Banco Central Europeu, a administração com mandato entre 2017-2020. Um alinhamento de mandatos. 
Para a nova administração, que tem Rui Vilar como "chairman", transita também Tudela Martins como elemento executivo. Paulo Macedo sucede a Domingues como presidente executivo (CEO). A equipa aguarda ainda a luz verde do Banco Central Europeu

Neste momento, a equipa da CGD é composta por elementos demissionários. Os gestores executivos António Domingues, Emídio Pinheiro, Henrique Menezes e Paulo Rodrigues Silva renunciaram no mês passado, pelo que têm mandato até ao final de Dezembro. O mesmo acontece com os administradores não executivos Angel Guraya, Herbert Walter e Pedro Norton. Com a demissão de agora, e segundo as regras do Código das Sociedades Comerciais, a renúncia de Vilar e Tudela Martins tem efeitos no final de Janeiro ou quando houver equipa substituta (que, a acontecer no período, conta com os próprios)

No quadro da CGD, e sem integrar a equipa liderada por Paulo Macedo e Rui Vilar, estão ainda Pedro Leitão e Tiago Ravara, o que pode obrigar ao pagamento de indemnizações por parte do Governo. 

Para já, o BCE tem apenas a equipa de elementos executivos para autorizar: Paulo Macedo, José João Guilherme, antigo administrador do BCP e do Novo Banco; Maria João Carioca, que esteve na gestão da Caixa liderada por José de Matos e que era até aqui presidente da Euronext Lisboa; Francisco Cary, ainda administrador do Novo Banco; Nuno Martins, que esteve no Barclays e no Citigroup e que é adjunto do secretário de Estado do Tesouro e Finanças; e José Brito, director central do banco do Estado.

A nova equipa terá de concretizar a capitalização de 5.160 milhões de euros definida pela administração de António Domingues. A demissão do antigo presidente será tema de audição na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa a 4 de Janeiro. 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 28.12.2016

A BOSTA da laternancia tuga!

Estes VELHADAS crânios iluminados são todos insubstituíveis! Eles rodam de tacho em taco de poleiro em poleiro e nunca se reformam!
A bosta da pseudo elite deste sitio atrasado de merd+a! Uns sanguessugas que não valem um caralh*o! Mas rodam sem parar...

sanchobeti 28.12.2016

SR portugues
Sou cliente da Cgd ha mais de 50 anos e tb de dois outros Bancos privados
Na generalidade a competencia e responsabilidade nuns e insuficiente na Cgd e mediucre,penso eu e muitos outros contribuintes portugeses.Mas nos direitos sao todos iguais e a corrupcao nao tem limites..
O resto sr portugues deduza dos resutados dos ultimos 4o anos do sistema financeiri portugues e em particular da Cgd.
Desculpa a frontalidade.e nao esqueca que falo em generalidade e nao em totalidade,incluindo trabalhadores desde o topo ate a base.

PORTUGUES 28.12.2016

Sr. sanchobeti, porque diz que os funcionarios do banco não merecem?? Sim, este Sr. olhava para os funcionarios como pessoas e não como numeros. Sim, este Sr. Foi o melhor presidente que a CGD teve nestes ultimos 50 anos. Respeite quem trabalha. Se trabalha, como olham para si? mais um numero...

Crika 27.12.2016

Mais...TACHOS!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub