Banca & Finanças Rui Vilar pondera demissão e pode deixar CGD sem administradores não executivos

Rui Vilar pondera demissão e pode deixar CGD sem administradores não executivos

Ao Expresso, o vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos adianta que ainda pode sair. "Irei pesar as razões antes de decidir", afirma. O conselho de administração da CGD pode ficar sem membros não executivos.
Rui Vilar pondera demissão e pode deixar CGD sem administradores não executivos
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 28 de Novembro de 2016 às 11:46

O vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos pode sair do cargo. A demissão é uma hipótese que está ainda em cima da mesa, como o número dois do banco público admite em declarações ao Expresso. Saindo, a instituição financeira fica com todos os administradores não executivos demissionários.

 

"Estou ainda a ponderar. Aceitei [o cargo] por serviço público. Aceitei aliás na condição de não receber vencimento. Irei pesar as razões antes de decidir", adianta Rui Vilar ao Expresso.

 

Riu Vilar é vice-presidente da CGD, número dois de António Domingues que este domingo anunciou a demissão da presidência do banco público em diferendo com o Governo e com o Presidente da República.

 

Vilar é um dos quatro administradores que não renunciou ainda ao seu cargo. É, aliás, o único administrador não executivo que não deixou o cargo, pois Pedro Norton, Angel Guaraya e Herbert Walter abandonaram as suas funções, juntamente com os gestores executivos Emídio Pinheiro, Henrique Cabral e Paulo Rodrigues da Silva. Pedro Leitão, Tiago Navarra Marques e João Tudela Martins são os nomes que, juntamente com Rui Vilar, não anunciaram a demissão.

Os administradores não executivos têm como função servir de contrapeso e de fiscalização aos membros executivos, estes que asseguram a gestão quotidiana do banco. 

 

No comunicado da CGD à CMVM, com a divulgação das renúncias, não é dito quando as renúncias têm efeito. Contudo, o Governo anunciou, em comunicado divulgado ontem, que Domingues ficará até ao final do ano. 

 

O primeiro-ministro revelou que espera apresentar ao supervisor único, Banco Central Europeu, um nome ainda esta semana. Depois, o calendário fica nas mãos da autoridade presidida por Mario Draghi.

 

Entretanto, Rui Vilar afirmou ao Expresso que irá apresentar as declarações de rendimentos e património junto do Tribunal Constitucional. António Domingues, adianta também o semanário, vai igualmente fazer o mesmo. O Negócios noticiou ontem que a demissão de Domingues foi por falta de confiança política de Domingues no Governo e no Presidente da República. 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub