Turismo & Lazer Ryanair aceita sindicatos para evitar greve

Ryanair aceita sindicatos para evitar greve

A companhia “low cost” enviou cartas aos sindicatos dos pilotos a abrir a porta para as negociações, contrariando uma política de não reconhecimento destas organizações.
Ryanair aceita sindicatos para evitar greve
Bloomberg
Wilson Ledo 15 de dezembro de 2017 às 09:23

A companhia aérea "low cost" Ryanair está disposta a reconhecer os sindicatos de pilotos de diversos países para evitar a greve anunciada para este período de Natal.

Em comunicado, a transportadora informou que esta sexta-feira, 15 de Dezembro, escreveu aos sindicatos de pilotos existentes na Irlanda, Reino Unido, Alemanha, Itália, Espanha e também em Portugal.

Na missiva, a Ryanair diz que está disponível para reconhecê-los como representativos dos pilotos da companhia em cada país, "desde que estabeleçam comités de pilotos da Ryanair para lidar com os assuntos da companhia". A "low cost" diz que não se quer relacionar com pilotos que voam para companhias concorrentes.

"A Ryanair mudará agora a sua política de longa data de não reconhecer os sindicatos para evitar qualquer ameaça de interrupção de voos para os seus clientes devido aos sindicatos de pilotos durante a semana de Natal," informou.

O convite aos pilotos é de que retirem a greve prevista para 20 de Dezembro, também agendada para Portugal. No país, estes profissionais fazem-se representar pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), que confirmou a paralisação na passada quarta-feira, depois dos colegas de outros países.

Os pilotos reclamam melhores condições de trabalho, melhores salários e que a sua sindicalização seja reconhecida.

O SPAC admitia desconvocar a greve caso a administração da Ryanair mostrasse "abertura para o diálogo construtivo" contra aquilo que é uma "cultura estabelecida de medo e ‘bullying em relação" aos seus trabalhadores.


Esta ameaça de greve chega depois de uma vaga de cancelamentos que afectaram a companhia aérea desde Setembro, justificadas com um problema na marcação das férias dos pilotos.

No final de Outubro, a transportadora anunciava que ia separar 45 milhões, só nas contas de Inverno, para melhorar as condições de trabalho dos pilotos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
António Há 3 dias

Sindicatos? Por quê? Esperem até os aviões voarem sozinhos sem precisarem de pilotos. Afinal os pilotos e as hospedeiras, o que fazem só é chular a empresa e quem a criou. Parecem bolcheviques do início do sec XX Não vencerão.

Augusto José Ramón PINOCHET Ugarte Há 3 dias

[SARCASMO] Quem não é de direita-radical, não merece respirar. Empresários devem ganhar prémios pelos salários cortados. Só o pobre é que deve pagar impostos. IRC=0%. Fim do Estado-Social. Sindicatos e greves proibidas. Fim dos direitos laborais. Privatizar tudo. Viva o Neoliberalismo![/SARCASMO]

Criador de Touros Há 3 dias

A cultura de esquerda que existe em Portugal afasta o investimento. Portugal depois do 25 de Abril continua na cauda da Europa por isso mesmo. Não faz sentido no século XXI partidos de esquerda como socialistas, comunistas e comunistas bloquistas venderem ideias aos portugueses que são do século XIX. As universidades portuguesas da área de letras funcionam mesmo muito mal e a maior parte dos responsáveis sabem a sebenta que escrevinham e pouco mais. Portugal é um país fechado nas suas ideias que levam à miséria e da miséria não saem. Pobre país !...Pobre gente !...

pub