Aviação Ryanair admite estudar compra da Air Berlin

Ryanair admite estudar compra da Air Berlin

O CEO da companhia diz que está por definir uma série de pormenores para que se possa colocar um cenário de compra. Mas admite que faria sentido dada a natureza da operação da Air Berlin.
Ryanair admite estudar compra da Air Berlin
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 23 de agosto de 2017 às 00:16
A companhia aérea Ryanair admite vir a estudar a aquisição da concorrente alemã Air Berlin - que há uma semana entregou um pedido de insolvência -, mas salvaguarda que há detalhes e dúvidas que condicionam o avanço dessa possibilidade.

"Ficaríamos muito felizes em apresentar uma proposta por toda a Air Berlin, que é basicamente uma companhia de voos curtos, domésticos e dentro da União Europeia. (...) Mas não sabemos qual a reestruturação a que tem de ser sujeita, quanto dinheiro está a perder e porque é que está a perdê-lo num mercado em que nós fazemos dinheiro," afirmou o CEO da companhia, Michael O'Leary, à Reuters.

Para o responsável, a insolvência - requerida pela administração da companhia depois da recusa do principal accionista, a Etihad Airlines, se ter recusado a continuar a dar apoio financeiro - será uma forma de beneficiar a companhia alemã Lufthansa, que já se manifestou interessada na operação.

A Lufthansa confirmou na semana passada estar em negociações para comprar partes do grupo e a explorar a possibilidade de integrar mais funcionários.

O CEO da Air Berlin, Thomas Winkelmann, já respondeu entretanto ao interesse da Ryanair, frisando que a empresa está aberta a propostas de parceria desde Maio - ainda antes, portanto, da insolvência - e que O'Leary é convidado, "de todo o coração, a ajudar-nos a salvar empregos."

O facto de as frotas das duas companhias divergirem na família de aparelhos usados (Boeing 737 no caso da Ryanair, Airbus A320 na Air Berlin) não é, para O'Leary, um obstáculo.

Dentro de cinco anos, pelas previsões do CEO da Ryanair, a companhia que lidera estará à cabeça de um dos cinco grupos de aviação que existirão no continente europeu, a juntar à Lufthansa, British Airways, Air France-KLM e eventualmente a concorrente directa easyJet.

"Vamos claramente desempenhar um papel na consolidação da indústria aeronáutica europeia, dado que somos a maior companhia na Europa," concluiu.

Além da Lufthansa, também existe interesse na Air Berlin da Condor "e de outras companhias" em cooperar ou em comprar activos da Air Berlin, garantiu na semana passada o vice-ministro alemão da Economia, Matthias Machnig.

A apresentação à insolvência não ameaça as operações, sendo o funcionamento regular dos voos programados garantido por um empréstimo-ponte de 150 milhões de euros concedido pelo banco de fomento alemão.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub