Aviação Ryanair avisa passageiros para irem três horas antes do voo devido à greve

Ryanair avisa passageiros para irem três horas antes do voo devido à greve

A companhia aérea Ryanair está a avisar os clientes que vão viajar, a partir do aeroporto do Porto, para chegarem com uma antecedência de três horas ao horário previsto do voo, por causa da greve parcial de seguranças.
Ryanair avisa passageiros para irem três horas antes do voo devido à greve
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Lusa 16 de abril de 2017 às 17:05
"Fomos avisados de atrasos na segurança do aeroporto de Porto. Pedimos aos clientes para chegar com a maior antecedência possível ao aeroporto, de preferência três horas antes do horário previsto do voo, para assim terem tempo suficiente para passarem a segurança e chegarem à porta de embarque 30 minutos antes do horário previsto do voo. Pedimos sinceras desculpas por qualquer inconveniente causado", lê-se num aviso da Ryanair Costumer Services que está a ser enviado aos clientes via correio electrónico.

A Lusa contactou a Ryanair via "chat" (conversa em tempo real via internet) e a companhia aérea "low cost" (baixo custo) explicou que o pedido para chegar com a "maior antecedência" se relaciona "apenas" com o facto de haver "uma greve" em curso e reiterou o pedido para o cliente chegar com "três horas de antecedência" ou seja, quem tiver, por exemplo, um voo às 08:00 da manhã deverá chegar às 05:00.

Fonte das relações públicas da ANA disse à Lusa que desde que a greve começou, na quinta-feira transacta, dia 13 de Abril, que "nenhum aeroporto em Portugal registou atrasos ou cancelamento de voos".

Na página da ANA Aeroportos de Lisboa na rede social Facebook pode ler-se, todavia, que aquela empresa informa "todos os passageiros que, em virtude da greve anunciada para as empresas de Segurança, é previsível que o processamento de passageiros nos aeroportos nacionais sofra constrangimentos nos próximos dias 13 a 17 de Abril".

A ANA Aeroportos recomenda ainda aos passageiros que viagem nesses dias referidos de 13 a 17 de Abril, que "procurem ou aguardem as instruções transmitidas pelas suas companhias aéreas, deslocando-se para os aeroportos de acordo com aquele contexto" e sugerem ainda aos passageiros para "procedam ao despacho de bagagem no 'check-in' para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão".

A greve parcial dos trabalhadores de empresas de vigilância e segurança privada dos aeroportos nacionais começou na madrugada de quinta-feira para exigir revisão de salários e horários, e esperavam-se constrangimentos para os passageiros.

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação Civil (SITAVA) avançou hoje que a greve parcial dos trabalhadores das empresas de vigilância e segurança privada registou uma adesão superior a 50% nos aeroportos de Lisboa e Porto.

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 16.04.2017

O ditado ja nao e novo:um homem precavido vale por dois.Ou se quisermos:um homem em trabalho nao brinca.Ou:odeio fazer esperar.Tambem:onde todos ajudam,nada custa,Igualmente:ajuda-me a ser pontual.A Ryanair nao se encosta no seu sucesso,quer ser o maior de todos,e vai conseguir,a humildade impera.

pub