Empresas Ryanair quer manter preços apesar de pagar mais 100 milhões a pilotos

Ryanair quer manter preços apesar de pagar mais 100 milhões a pilotos

A Ryanair prevê pagar mais 100 milhões aos pilotos, por ano, o que traz pressão adicional para os custos da companhia aérea de baixo custo. Mas o presidente executivo assegura que os preços não vão mexer.
Ryanair quer manter preços apesar de pagar mais 100 milhões a pilotos
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 13 de fevereiro de 2018 às 14:26

A Ryanair "não prevê subir preços". A afirmação é do presidente executivo, Michael O’Leary, numa conferência de imprensa com jornalistas, em Madrid, que decorreu esta terça-feira, 13 de Fevereiro.

 

A companhia aérea irlandesa tem, neste momento, um custo anual pela frente com remunerações que não tinha até aqui: mais 100 milhões de euros ao ano para pagar aos pilotos. O que coloca pressão nos custos da companhia. 

 

Só em Espanha, a companhia aérea está em conversações para subir em cerca de 20% o salário dos pilotos, na sequência do acordo com sindicatos, segundo relata a imprensa espanhola.

 

Foi no final do ano passado que, depois de protestos, a Ryanair assumiu que iria reconhecer os sindicatos de pilotos na Alemanha, Espanha, Irlanda, Itália, Reino Unido e Portugal como interlocutores, estando em conversações específicas com cada representação sindical. O que se seguiu a um ano em que foi notícia a fuga de pilotos para empresas concorrentes.

 

É na totalidade destes países que o encargo anual ascende a 100 milhões de euros. Só que o líder assegurou, no evento desta terça-feira, que quer manter a Ryanair como a companhia mas barata do mercado e que não haverá mudanças nas tarifas praticadas pela empresa de baixo custo. 

No evento desta quarta-feira, foram anunciadas também novas rotas. Em Espanha, local da conferência de imprensa e que pesa em 27% do negócio da Ryanair, há 29 novas rotas para o calendário de Inverno. Em Portugal, há apenas uma: nova rota entre o Porto e Sevilha, que contará com três frequências semanais.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado joaoaviador 13.02.2018

Com um presidente executivo destes é realmente de admirar a sobrevivência de uma, como esta, dita companhia aérea. A não ser que se dedique, também, a outros negócios. Para além do, claro está, descarado apoio das autoridades por essa Europa ( e as nossas.. ui,ui ) fora à conta de , sabe-se lá bem o quê.

comentários mais recentes
joaoaviador 13.02.2018

Com um presidente executivo destes é realmente de admirar a sobrevivência de uma, como esta, dita companhia aérea. A não ser que se dedique, também, a outros negócios. Para além do, claro está, descarado apoio das autoridades por essa Europa ( e as nossas.. ui,ui ) fora à conta de , sabe-se lá bem o quê.

pub