Automóvel SAG: Vendas da Volkswagen, Audi e Skoda descem 6,3% no primeiro semestre

SAG: Vendas da Volkswagen, Audi e Skoda descem 6,3% no primeiro semestre

As vendas foram afectadas pelo recuo no segmento de negócio de aluguer de carros, devido à nova estratégia da empresa. O volume de negócios da SAG subiu 2,8% e o EBITDA desceu 4,8% com prejuízos de 0,6 milhões de euros.
SAG: Vendas da Volkswagen, Audi e Skoda descem 6,3% no primeiro semestre
André Cabrita-Mendes 31 de agosto de 2017 às 20:45
As vendas da empresa importadora das marcas Audi, Skoda e Volkswagen desceram 6,3% no primeiro semestre deste ano. A Sociedade Importadora de Veículos Automóveis (SIVA) vendeu um total de 16.794 unidades no primeiro semestre, com as vendas a serem afectadas negativamente pela queda no segmento de negócio de aluguer de carros, com uma descida de 17% para 895 unidades.

Os dados da Soluções Automóvel Globais (SAG), que detém a SIVA, foram divulgados esta sexta-feira, 31 de Agosto, na CMVM.

A empresa presidida por João Pereira Coutinho aponta que o recuo das vendas para aluguer de carros "foi essencialmente causada pela decisão estratégica de não acompanhar o forte ritmo de crescimento do mercado de "rent-a-car", maioritariamente de vendas com recompras garantidas". A SAG aponta assim que privilegiou as vendas para "redes de concessionários", com este segmento a crescer 1,4%, mais 1290 unidades.

Por marcas, a Volkswagen recuou 2,6% nas vendas (9.774 unidades), uma descida pelo recuou de 12,2% de vendas no "canal rent-a-car". Já a Audi desceu 2,9% (4.993 unidades) fruto de um "ciclo de produto que se encontra em grande renovação e face a uma agressiva actividade concorrencial e da redução do volume do canal rent-a-car".

A Skoda, por seu turno, afundou 31% para 1.222 unidades, "devido ao ciclo de produto" e forte redução de 58% "no volume do canal rent-a-car e aos efeitos da profunda remodelação da rede de concessões realizada durante o ano de 2016". Já a marca Volkswagem - Veículos Comerciais teve uma redução de 15% para 1.001 unidades.

A empresa registou um prejuízo de 0,6 milhões de euros, depois dos 0,3 milhões de prejuízos registo em igual período do ano passado. O volume de negócios consolidado registou um aumento de 2,8% para 331 milhões de euros. O EBITDA consolidado, por seu turno, desceu 4,8% para 9,7 milhões de euros.

Esta descida deveu-se ao "reforço do investimento em publicidade e campanhas comerciais de apoio às marcas representadas pela SIVA". A dívida líquida atinge os 111 milhões de euros.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub