Banca & Finanças Saída de Barroso para a Comissão Europeia travou reorganização na Caixa

Saída de Barroso para a Comissão Europeia travou reorganização na Caixa

Manuela Ferreira Leite considera que deixou um "legado negativo" por não ter conseguido alterar o modelo de governação na CGD quando havia dificuldades de relacionamento na administração e um elevado peso dos seguros no grupo.
Saída de Barroso para a Comissão Europeia travou reorganização na Caixa
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 13 de dezembro de 2016 às 16:14

A saída de Durão Barroso do Governo para a Comissão Europeia acabou por travar uma reorganização da Caixa Geral de Depósitos que a ministra da tutela da altura, Manuela Ferreira Leite, considerava essencial.

 

"Foi um tema que ainda foi discutido em Conselho de Ministros e, ao fim de dois ou três dias, tínhamos a notícia que o nosso primeiro-ministro ia abandonar as suas funções e, portanto, não chegou a ter seguimento no nosso mandato", disse a ministra das Finanças entre 2002 e 2004. No último ano, Durão Barroso saiu para a presidência da Comissão Europeia, tendo sido substituído como primeiro-ministro Santana Lopes. 

 

Em causa estava a necessidade de alterar a organização da CGD numa altura em que havia sobreposição de competências entre o presidente da administração ainda que com alguns poderes executivos, António de Sousa, e o presidente executivo da banca comercial, Mira Amaral. Além disso, era necessário mudar o grupo tendo em conta o peso do sector segurador após a aquisição da Império Bonança ao BCP, já que a CGD tinha a Fidelidade e a Mundial. A ideia era dividir entre o banco comercial (balcões) e a constituição de uma "holding" que agregasse os seguros, "as relações internacionais e as participações financeiras". O projecto "estava em mente" e não foi para a frente porque o primeiro-ministro saiu, tendo depois entrado um novo Executivo, contou a ex-governante pelo PSD na comissão de inquérito à CGD.

 

"O legado que deixei não seria muito diferente do que recebi. Quando cheguei estava um presidente, que foi o mesmo que lá estava quando saí [António de Sousa]", disse a antiga ministra esta terça-feira, 13 de Dezembro. Mesmo assim, havia "problemas por resolver". Manuela Ferreira Leite referiu-se às dificuldades de relacionamento entre Mira Amaral e António de Sousa, falando mesmo em "questões pessoais" entre ambos. O problema "ter-se-ia resolvido se tivéssemos aprovado o novo sistema de governação". "Não tendo sido [aprovado], estava a tornar-se incompatível a gestão". Este foi um "legado negativo", admitiu.

 

Com a saída de Manuela Ferreira Leite entrou nas Finanças Bagão Félix que alterou a administração, nomeando para a CGD Vítor Martins. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
DESCULPA ESFARRAPADA 13.12.2016

A administração não mudou. Porque razão não deu seguimento ? Quem sucedeu a Durão, era do PSD. Porque razão parou com a reorganização da CGD ? Alguem que explique isso.

AGORA ATÉ É O TESTA DE FERRO DO CLUBE BILDERBERG 13.12.2016

Por favor, não falem no nome desse escroque Durão Barroso, porque a sua simples citação polui o ar e, mais ainda, a nossa memória colectiva de alguém que é execrável demais e que, por ser um biltre e por seu carácter rasteiro, se presta a fazer todo o serviço sujo, em troca de euros ou dólares.

pub
pub
pub
pub