Banca & Finanças Salgado e Ricciardi acusados pela CMVM

Salgado e Ricciardi acusados pela CMVM

A CMVM decidiu acusar oito antigos gestores do BES pelo facto de terem dado informação “não verdadeira” aos clientes do banco que investiram em papel comercial da ESI e da Rio Forte, avança a Sábado. Ricardo Salgado e José Maria Ricciardi arriscam coimas de cinco milhões cada.
Salgado e Ricciardi acusados pela CMVM
Miguel Baltazar
Negócios 21 de junho de 2017 às 12:54

Ricardo Salgado, José Maria Ricciardi e José Manuel Espírito Santo são três dos antigos administradores do BES acusados pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, numa contra-ordenação relacionada com a venda de papel comercial da Espírito Santo International e da Rio Forte aos clientes do banco, noticia a Sábado, esta quarta-feira, 21 de Junho.

 

A entidade de supervisão concluiu que os clientes do banco e investidores em papel comercial das "holdings" do antigo Grupo Espírito Santo tiveram acesso a informação que "não era verdadeira, não era completa, não era actual e não era lícita", de acordo com a decisão de 2 de Junho, citada pela revista.

 

Além de Salgado, Ricciardi e José Manuel Espírito Santo, são também acusados neste processo Ricardo Abecassis, Pedro Mosqueira do Amaral, Manuel Fernando Espírito Santo, Rui Silveira e Amílcar Morais Pires. Todos, à excepção deste último, são acusados de oito infracções, puníveis com coimas individuais de 25 mil a 5 milhões de euros.

 

Entre os acusados estão ainda o BES, visado por seis acusações, e o Banco Haitong, antigo BES Investimento, acusado de duas infracções.

 

Após terem sido notificados, os acusados têm 20 dias para apresentarem a sua defesa. Só depois desta fase, que deve implicar a audição de testemunhas, haverá uma decisão final da CMVM.




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
cincoassim 22.06.2017

Ah, Ah, Ah. Deve ser esta a gargalhada que os srs mencionados devem estar a dar. É caso para dizer que o crime não só compensa como dá um bom lucro. Eu se fosse um dos que investiram no BES, estaria neste momento a estudar os locais onde encontraria estes sujeitos, one by one, porque no final a justiça nada vai fazer. Preferiria a minha.

21.06.2017

Não há duvida que persista. Portugal é um asilo de vagabundos governado por oligarquias de vagabundos vaidosos. No entanto tratam-se na sua generalidade de vagabundos com sangue de barata. Um povo solidário já tinha feito justiça pelas próprias mãos dado ela infelizmente não existir fora desse foro.

21.06.2017

E o nosso comentador semanal agora presidente não tem uma palavrinha sobre isto ? Sabia tudo, futebol, ténis, direito, torto e enviesado e agora está calado sobre a desgraça de milhares de pessoas ? Grande carácter. Já devia ter recebido os lesados de todos os bancos vítimas dum país de esterco.

21.06.2017

Vai acontecer o mesmo que aconteceu ao cabrão do João Rendeiro. Ficam á sombra e se calhar ainda entram com algum para ajuda ás vítimas dos incêndios. Com sorte ainda são canonizados quando deveriam ter sido carbonizados. Ter bons amigos no poder e na justiça faz mais milagres. País de merda.

ver mais comentários
pub