Banca & Finanças Salgado recusa gestão danosa no BES e qualquer culpa pela situação dos lesados

Salgado recusa gestão danosa no BES e qualquer culpa pela situação dos lesados

O antigo presidente do BES culpa o Banco de Portugal pela derrocada do banco. Além disso, Ricardo Salgado lamentou o problema dos "lesados": "Dói-me profundamente a situação", disse, em Santarém.
Salgado recusa gestão danosa no BES e qualquer culpa pela situação dos lesados
Pedro Elias
Lusa 31 de outubro de 2017 às 15:53

O ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, recusou esta terça-feira, 31 de Outubro, em Santarém, ter feito uma gestão danosa do banco e declarou não se sentir culpado pela situação dos lesados, deixando para o Tribunal o apuramento da sua responsabilidade no processo.

 

"Isso vai ter que ser apurado aqui, mas posso dizer que efectivamente o que aconteceu depois da minha saída foi o colapso provocado pelas provisões que foram mandadas constituir pelo Banco de Portugal e os auditores e que levaram o banco para um nível de rácio de solvência que não era possível, de acordo com as regras internacionais, manter a sua relação com o Banco Central Europeu", declarou.

 

"Foi isso que criou a queda do Banco Espírito Santo [BES]", acrescentou Ricardo Salgado, que falava à saída de uma audiência do julgamento do pedido de impugnação da contra-ordenação de 4 milhões de euros aplicada pelo Banco de Portugal (BdP) por comercialização de título de dívida da Espírito Santo Internacional (ESI) junto de clientes do banco, que decorre no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, e no âmbito do qual prestará declarações hoje à tarde.

 

Os mandatários de Ricardo Salgado juntaram ao processo um parecer que, afirmou, "mostra, claramente, que as provisões que foram constituídas e que contribuem, claramente, para a destruição dos rácios de solvência do BES não eram de acordo com as regras do International Accounting Standards".

 

Recusando ter tido uma gestão ruinosa do banco, Salgado declarou ter a "convicção profunda de que vai provar isso", acrescentando lamentar o que aconteceu aos lesados com a comercialização da dívida da ESI.

"Dói-me profundamente a situação" dos lesados

 

"Dói-me profundamente a situação", afirmou, sublinhando que até sair do banco, a 13 de Julho de 2014, "os lesados que tinham papel comercial e investimentos no grupo foram integralmente pagos".

 

Ricardo Salgado reafirmou que a resolução do BES "foi um desastre", opinião que julga ser hoje compartilhada por "muitas pessoas", já que "houve provisões que foram transferidas para o Novo Banco e que depois não foram utilizadas para solver os compromissos com os lesados".

 

"Quando deixei o banco, o banco tinha recursos mais do que suficientes para reembolsar todos os lesados e era isso que estava previsto", frisou.

 

Sobre o processo em julgamento no TCRS, Ricardo Salgado lamenta que o relatório da Boston Consulting Group, que "custou 910 mil euros aos portugueses, nunca mais saia cá para fora", pois é "essencial para se conseguir apurar a verdade do que aconteceu".

 
"Condicionamentos na inquirição"


O ex-banqueiro referiu ainda "condicionamentos na inquirição" por parte do BdP "em relação a duas testemunhas", uma das quais terá sido "descoberto" durante as audições que terá "uma relação de familiaridade ou de amizade com outra testemunha muito significativa", mas recusou avançar qualquer nome.

 

Na audição do passado dia 7 de Setembro, o Ministério Público pediu a extracção de declarações do antigo responsável financeiro do Grupo Espírito Santo José Castella, para que seja averiguado se foi alvo de coacção durante a inquirição pelo Banco de Portugal, em Setembro de 2014, como afirmou na audição desse dia.

 

Na audiência de hoje, a manhã foi ainda preenchida com o resto do depoimento de Amílcar Morais Pires, que, tal como Ricardo Salgado, pediu ao TCRS a impugnação da contra-ordenação de 600 mil euros a que foi condenado, em 2016, pelo Banco de Portugal (BdP) por não implementação de sistemas de informação e comunicação adequados e não implementação de um sistema de gestão de riscos sólido, eficaz e consistente, no que concerne à actividade de colocação de produtos emitidos por terceiros.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dai um tiro na mioleira do Salgado! Há 2 semanas

Salgado para além de destruir o banco ainda destruiu a PT, ele e a pandilha Bava e Granadeiro! Agora anda armado em coitadinho q não tem culpa! Em 2014 o BES deu de prejuízos só no 1º semestre 3,6 mil milhões de €. Para onde foi o dinheiro?! Salgado conspurcou e emporcalhou os seus antepassados.

Ele ainda se arroga o desplante de gozar com as pe Há 2 semanas

A melhor oferta que este indivíduo deveria receber, de um daqueles a quem ele desgraçou a vida, eram 100 gramas de chumbo.
Não é a só a prisão que fará justiça, mas sim obriga-lo a vomitar os vários locais, para onde enviou o dinheiro, porque isso é que dói verdadeiramente a estes biltres.

O DINHEIRO NÃO SE ESFUMA, SEU CANALHA ! Há 2 semanas

Este criminoso, um verme q destruiu as economias de uma vida de muitos milhares de honrados Portugueses, vem agora, para cúmulo, procurar levar-nos a todos por atrasados mentais.
É dos livros q os criminosos sempre negam os seus crimes.
Só ele sabe onde estão os milhares de milhões que roubou.

General Ciresp Há 2 semanas

Mata-lo seria alivia-lo de toda a borrada que fez,mas po-lo a viver debaixo duma ponte era o minimo que se podia fazer a um traidor destes.Com 2 salarios minimos da-se ao luxo de dizer "os meus advogados".Com que dinheiro sao eles pagos?Eu sei bem quanto custa e o que fazem os advogados,fugir deles.

pub