Salvador Caetano e a Airbus Military abrem a porta a novos projectos que podem criar 1.000 empregos
01 Agosto 2012, 13:15 por Ana Laranjeiro | alaranjeiro@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
0
Assinatura do projecto da Salvador Caetano e da Airbus Military abre a porta a projectos com a Ogma e pequenas e médias empresas (PME) nacionais e poderá criar mais de mil postos de trabalho. Veja aqui o vídeo.
O Governo assinou os termos da renegociação do contrato de contrapartidas a EADS (Airbus Military), criando a possibilidade de associar a Salvador Caetano e a empresa europeia ao projecto. Este está avaliado em cerca de 75 milhões de euros e vai criar, segundo Álvaro Santos Pereira, ministro da Economia e Emprego, “mais de 800 postos de trabalho – 200 directos e 600 na cadeia de fornecimento”.

Desta forma, a aliança entre estas duas empresas vai permitir o fabrico e montagem de componentes aeronáuticos, de elevada capacidade tecnológica e de valor acrescentado. Para a concretização deste projecto, uma fábrica deverá ser construída tendo - segundo o ministério da Economia, uma secção de engenharia em Vila Nova de Gaia e uma linha de produção em Ovar - como finalidade o fabrico de ferramentas industriais e componentes aeronáuticos, como é o caso de estruturas metálicas e peças em materiais compósitos.

O governante aproveitou a assinatura do documento para dar conta que, a este projecto da Salvador Caetano e da Airbus Military, “se juntarmos outros projectos com a Ogma e PME, estamos a falar em valores superiores a cem milhões de euros e mais de mil postos de trabalho” criados.

Esta renegociação revela também uma “aposta muito grande na sinergia” entre o ministério da Economia e o ministério da Defesa Nacional, bem como é um projecto que se “enquadra perfeitamente no nosso desígnio nacional que é reindustrializar o País, apostar no sector produtivo e na exportação”.

Álvaro Santos Pereira classificou ainda estes projectos como “muito importantes” para Portugal uma vez que “se está a falar de um ‘cluster’ de aeronáutica que está” a ser reforçado “em Portugal nos últimos anos”.

Por outro lado, “no âmbito das contrapartidas, achamos que é importante que haja projectos âncora”. Neste sentido, o governo pretende associar “este tipo de projectos a projectos industriais de grande capacidade”, dado que “temos empresas portuguesas com reconhecido valor a participarem e a reforçarem as suas componentes”. Como é o caso do “projecto Caetano” que está “a produzir compósitos para aviões”.

O ministro da Economia revelou também que este investimento de 75 milhões de euros vai ser “repartido”. “A Salvador Caetano vai investir e a Airbus também”, afirmou, clarificando ainda que a “Airbus investe não só no projecto directamente, como também investe na capacitação e na formação do projecto Caetano”.

(notícia actualizada com mais informação às 13h45)



Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: