Empresas Samsonite compra Tumi por 1,64 mil milhões de euros

Samsonite compra Tumi por 1,64 mil milhões de euros

Ramesh Tainwala, CEO da Samsonite, fala à Bloomberg TV sobre o acordo firmado para a compra da fabricante de bagagem de luxo Tumi Holdings.
A carregar o vídeo ...
Bloomberg TV Carla Pedro 04 de março de 2016 às 02:34

A empresa norte-americana de artigos de viagem Samsonite International acordou a aquisição da fabricante de bagagem de luxo Tumi Holdings por 1,8 mil milhões de dólares (1,64 mil milhões de euros), naquela que é a sua maior operação de compra, avança a Bloomberg.

 

Nos termos deste acordo, os investidores da Tumi irão receber 26,75 dólares por acção, em dinheiro, anunciou a Samsonite esta sexta-feira, 4 de Março, num comunicado à bolsa de Hong Kong.

 

Esse montante é cerca de 33% superior ao valor de fecho da Tumi na quinta-feira, na bolsa nova-iorquina, antes de a compra ser anunciada – sessão em que já tinha disparado 30%.

 

A transacção, sublinha a Bloomberg, avalia a Tumi em cerca de três vezes as suas receitas dos últimos 12 meses. Em 2015, as vendas líquidas da empresa aumentaram 4% face ao ano anterior, para 547,7 milhões de dólares.

 

A Tumi Holdings, fundada em 1975 por Charlie Clifford, está sediada em South Plainfield, no estado norte-americano de Nova Jérsia.

 

De acordo com o website da Tumi, a empresa vende malas por valores que podem ascender a 1.300 dólares, estando presente em 177 lojas próprias em todo o mundo – e está a planear abrir mais 15 a 20 novos estabelecimentos este ano.

 

A Samsonite, criada por Jesse Shwayder em 1910, começou por se chamar de Schwayder Trunk Manufacturing Company. Instalou-se inicialmente em Denver (no Colorado) e a sua sede actual é em Mansfield (Massachusetts).

 

Em 1939, decidiu chamar Samsonite [com raiz na força sobre-humana da personagem bíblica Sansão] a uma das suas resistentes malas e o êxito foi enorme – a tal ponto que em 1941 o nome da empresa mudou, assumindo a denominação daquela marca. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub