Bolsa Samsung afunda 8%. Problemas com o Note7 podem custar 15,2 mil milhões

Samsung afunda 8%. Problemas com o Note7 podem custar 15,2 mil milhões

A Samsung registou a maior queda desde 2008, depois de ter suspendido as vendas do Galaxy Note 7 e de ter pedido aos utilizadores que já têm o aparelho que o desliguem. O custo destes casos pode ascender a 17 mil milhões de dólares (15,2 mil milhões de euros).
Samsung afunda 8%. Problemas com o Note7 podem custar 15,2 mil milhões
REUTERS

As acções da Samsung fecharam esta terça-feira, 11 de Outubro, a descer 8,04% para 1.545 won, registando assim a maior queda desde 2008, salienta a Bloomberg. Apesar das quedas recentes, provocadas essencialmente pelas notícias em torno do Galaxy Note 7, as acções da tecnológica sul-coreana estão a acumular um ganho de 22,62% desde o início do ano.

 

Depois de ter anunciado o cancelamento da produção do Galaxy Note 7, a firma sul-coreana anunciou agora uma medida mais radical, ao suspender as vendas e trocas de todos os aparelhos desta gama.

 

Num comunicado, a empresa sul-coreana refere que pediu aos retalhistas que retirem os aparelhos das suas lojas e que também não procedam às trocas que estavam a decorrer.

 

Aos consumidores que têm um Galaxy Note 7 (o original ou o que já foi trocado) a Samsung está a pedir para que desliguem o aparelho e contactem a loja onde este foi comprado.

 

A Reuters revela que a maior recolha de aparelhos de sempre pode custar à Samsung até 17 mil milhões de dólares, o que equivale actualmente a 15,2 mil milhões de euros. Isto no cenário de a fabricante deixar de vender este equipamento, porque isso representaria perder vendas de cerca de 19 milhões de smartphones, que são as estimativas em torno das vendas do Galaxy Note 7. Os 17 mil milhões de dólares têm por base cálculos do Credit Suisse, citados pela agência de informação. Estes valores comparam com as estimativas iniciais de 5 mil milhões de dólares.

 

Mas este valor poderá não ser o final. A Nomura, citada pela Reuters, prevê ainda que a Samsung incorra em custos efectivos de 1,6 biliões de won (1,28 mil milhões de euros) no quarto trimestre do ano. Isto assumindo que foram fabricados cerca de quatro milhões de Note7.

 

Mas o problema maior nem será os custos e as perdas de receitas, já que os analistas consideram que a sul-coreana tem capacidade para absorver este choque. O maior problema é o da reputação. "Pensamos que o incidente do Note7 pode afectar a procura por outros modelos da Samsung", sublinham analistas do Nomura numa nota, citada pela Reuters.

 

Esta casa de investimento admite cortar as estimativas de lucros da unidade móvel da Samsung em até 85% no quarto trimestre.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub